Morto em penitenciária, traficante Elias Maluco deixou cartas aos familiares

Ele cumpria pena de 28 anos pelo assassinato do jornalista Tim Lopes, em 2002.

Redação AM POST

O traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, encontrado morto ontem (22) em uma cela na penitenciária federal de segurança máxima de Catanduvas, no Paraná, deixou, pelo menos, 10 cartas escritas a mão para familiares, segundo a Polícia Federal. Ele cumpria pena de 28 anos pelo assassinato do jornalista Tim Lopes, em 2002.

Em nenhum de seus relatos o criminoso cita arrependimento ou revolta com o sistema penitenciário. Ele apenas escreveu que não aguentava mais a vida e não conseguia mais se posicionar em frente aos familiares.

Continua depois da Publicidade

Agente penitenciários informaram que Elias não demonstrou nenhum comportamento estranho para cometer tal ato contra a própria vida. Peritos da PF disseram que sua cela estava bem organizada.

Em nota, o Depen Informa “que preza pelo irrestrito cumprimento da Lei de Execução Penal e que todas as assistências previstas no normativo são garantidas aos privados de liberdade que se encontram custodiados no Sistema Penitenciário Federal”. O motivo da morte não foi informado no comunicado.

*Com informações da Agência Brasil

Continua depois da Publicidade