Pesquisar por em AM POST

Brasil

Presidente do Novo se pronuncia sobre encontro de Comando Vermelho com ministérios: ‘Em qualquer país sério, o governo inteiro teria caído’

A ‘dama do tráfico’ teve reuniões dentro do Ministério da Justiça com dois secretários e dois diretores da Pasta num período de três meses.

  • Estadão Conteúdo

  • 15/11/2023 às 20:23

  • Leitura em seis minutos

blank

Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente nacional do partido Novo, Eduardo Ribeiro, manifestou nesta quarta-feira, 15, incredulidade com a permanência dos ministros da Justiça, Flávio Dino (PSB), e dos Direitos Humanos, Sílvio Almeida, em seus cargos, após o Estadão revelar que uma integrante do Comando Vermelho foi recebida no Palácio da Justiça, em Brasília, duas vezes neste ano. Ele ainda destacou que, “em qualquer país sério, o governo inteiro já teria caído”. As críticas de Ribeiro somam-se a um movimento de parlamentares que pedem o impeachment de Dino. O governo tem respondido enfatizando que não tinha como saber da presença da ‘dama do tráfico’ nas reuniões e enfatizado que o ministro não participou dos encontros.

“Vimos as notícias sobre a recepção de uma líder do tráfico ser recebida de braços abertos pelo Ministério da Justiça. E como se não bastasse, ela mesma revelou ontem que o custeio de passagens foi pago pelo Ministério dos Direitos Humanos. Ou seja, estamos caminhando a passos largos para nos transformarmos em um narcoestado nesse governo do PT. É inaceitável que o ministro dos Direitos Humanos, Sílvio Almeida, ainda continue no cargo. Assim como é inaceitável que o ministro da Justiça, Flávio Dino, ainda continue no cargo”, disse Ribeiro ao Estadão.

PUBLICIDADE

“Em qualquer país sério, o governo inteiro já teria caído, mas mesmo para os padrões brasileiros é inacreditável que eles ainda estejam no cargo. Se Flávio Dino e Silvio Almeida não caírem, será a prova cabal de que vivemos sob o regime de um narcoestado”, completou. Já a líder da bancada do Novo na Câmara dos Deputados, Adriana Ventura (SP), classificou o episódio como “absurdo”, destacando que parlamentares de esquerda, como os deputados Guilherme Boulos (PSOL-SP) e Daiana Santos (PC do B-RS), pousaram para fotos ao lado de Luciane Barbosa Farias, conhecida como “dama do tráfico amazonense”.

Conforme mostrou o Estadão, Luciane teve reuniões dentro do Ministério da Justiça com dois secretários e dois diretores da Pasta num período de três meses. Ela conversou com Elias Vaz, secretário de Assuntos Legislativos do ministério; Rafael Velasco Brandani, titular da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen); Paula Cristina da Silva Godoy, da Ouvidoria Nacional de Serviços Penais (Onasp); e Sandro Abel Sousa Barradas, diretor de Inteligência Penitenciária. O nome de Luciane não consta nas agendas oficiais das autoridades.

Condenada a dez anos de prisão por lavagem de dinheiro, organização criminosa e associação para o tráfico, Luciane é acusada de ser o braço financeiro do Comando Vermelho em Manaus, responsável por lavar o dinheiro do tráfico. Ela é casada com Clemilson dos Santos Farias, o Tio Patinhas, um dos líderes da facção no Estado. Luciane declarou em nota que não é “faccionada” com qualquer organização criminosa e que está sendo vítima de criminalização devido ao fato de ser esposa de um detento. Entretanto, para a desembargadora que assinou a condenação, Vânia Marques Marinho, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), não há dúvidas sobre a participação de Luciane no Comando Vermelho.

PUBLICIDADE

O Ministério da Justiça, por sua vez, reconhece que Luciane foi recebida por secretários do ministro Flávio Dino. No entanto, alega que ela fazia parte de uma comitiva e que era “impossível” para o setor de inteligência detectar antecipadamente a sua presença. Nesse contexto, o secretário Elias Vaz assumiu publicamente a responsabilidade pelo encontro realizado com a “dama do tráfico”. “Se teve algum erro, esse erro foi de minha parte por não ter feito uma verificação mais profunda das pessoas que eu iria receber”, disse Vaz nesta segunda-feira, 13, em coletiva na sede da Pasta.

Já Dino afirmou em publicação em rede social que nunca recebeu qualquer líder de facção criminosa, ou esposa, em seu gabinete. O ministro também alegou que não tinha conhecimento dos encontros entre Luciane e seus assessores. “De modo absurdo, simplesmente inventam a minha presença em uma audiência que não se realizou”, escreveu.

PUBLICIDADE

Desde abril de 2022, Luciane se apresenta como presidente da Associação Liberdade do Amazonas (ILA). Segundo o site da ONG, a entidade atua em favor dos direitos humanos e fundamentais de presos e de familiares de presos. Para a Polícia Civil do Amazonas, contudo, a organização é financiada pelo Comando Vermelho e trabalha para os interesses da facção.

O Estadão também revelou que o Ministério da Justiça avançou em solicitações da ONG discutidas durante uma reunião. Anteriormente, o ministério havia assegurado que não houve nenhum desenvolvimento adicional no assunto após o encontro entre o titular da Secretaria Nacional de Políticas Penais, Rafael Velasco, e a “dama do tráfico amazonense”.

PUBLICIDADE

Agora, a Senappen admite que a demanda da entidade “seguiu os trâmites habituais” e que, ao dar continuidade ao caso, consultou a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para responder a questionamentos levantados pela entidade amazonense que recebeu pagamento da facção, conforme revelado pelo Estadão com base em recibos obtidos pela Polícia Civil.

Lula ignora presença de Comando Vermelho no Ministério da Justiça

Nesta quarta-feira, 15, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) saiu em defesa de Dino. O petista condenou as fake news que têm sido divulgadas para dizer o ministro recebeu a representante da facção criminosa. Conforme mostrou o Estadão, quem recebeu a integrante do Comando Vermelho não foi Dino, e sim quatro de seus assessores. Sobre a presença do Comando Vermelho no ministério, porém, Lula não fez sequer um comentário, limitando-se a defender as ações de Dino contra o “armamentismo selvagem” e “crime organizado”.

Estadão Conteúdo

O AM Post apoia a causa autista
blank

A mente de uma criança com Transtorno do Espectro Autista pode ser associada a um quebra-cabeças. Parece difícil de entendê-la no primeiro momento. Porém, quando utilizamos a metodologia certa as tornamos fácil e percebemos que as dificuldades podem ser superadas.

- Jorge Tertuliano

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank