Prefeitura recorrerá à Justiça para incluir 292 servidores que atuam nos cemitérios, no grupo prioritário

Os profissionais não foram lembrados pelo Ministério da Saúde, quando houve a definição da lista de prioridades para a vacinação.

Redação AM POST

Por determinação do prefeito David Almeida, a Procuradoria Geral do Município (PMG), ingressará ainda nesta sexta-feira, 22/1, com um pedido junto à Justiça Federal, para exigir que a União inclua 102 servidores que atuam no SOS Funeral e outros 190 coveiros que estão diretamente trabalhando nos cemitérios de Manaus, ajudando no enterro das vítimas da Covid-19.

Continua depois da Publicidade

Em entrevista coletiva, na quinta-feira, 21, o prefeito destacou que esses profissionais não foram lembrados pelo Ministério da Saúde, quando houve a definição da lista de prioridades para a vacinação. Ele ressaltou ainda que os servidores estão diariamente expostos à contaminação pelo novo coronavírus, porque lidam com corpos de vítimas da doença.

“Mesmo com toda a proteção que nossa equipe de saúde promove nos corpos das vítimas da Covid-19, ainda assim, esses profissionais que estão no SOS Funeral e nos cemitérios estão diretamente expostos à contaminação, carregando até 40 pessoas por dia, colocando dentro das urnas funerárias. Eles estão sendo heróis, e também precisam da vacinação”, afirmou David.

Ação

Continua depois da Publicidade

O procurador-geral do Município, Marco Aurélio Choy, informou que a definição das prioridades do Programa Nacional de Vacina (PNI) é estipulada pelo governo federal. Por causa da escassez de vacinas, foi definido que, nesta primeira fase, só devem receber as doses, idosos que vivem em asilos, indígenas aldeados e profissionais de saúde, que trabalham na linha de frente contra o novo coronavírus.

“O governo federal estipula as prioridades. Assim como incluiu recentemente os caminhoneiros dentro do grupo de risco, há outros grupos de profissionais que são prioritários, e que, assim como agentes de saúde, também estão na linha de frente, como, por exemplo, os coveiros. A pedido do prefeito David Almeida, vamos tentar incluir esses profissionais, além dos funcionários da Semasc, que trabalham com o SOS Funeral, no grupo de prioridade da vacina”, informou Choy.

Continua depois da Publicidade

Números

De acordo com dados da Prefeitura de Manaus, são 292 servidores, sendo 102 do SOS Funeral, e 190, da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), que trabalham diariamente com a remoção e enterro de vítimas da Covid-19 e que terão direito a receber a vacina, caso a Justiça acate o pedido.

Continua depois da Publicidade

*Com informação da Assessoria de Imprensa