Família de Angélica do ‘BBB15’ presta queixa na polícia contra racismo

A mãe da moça diz estar sofrendo preconceito.

(MSN)

A família de Angélica está passando por momentos difíceis, desde que a sister entrou para o “Big Brother Brasil 15”, da Globo.

A mãe da auxiliar de enfermagem, Maria do Carmo, revelou que a família precisou acionar a polícia por conta das constantes agressões racistas que tem recebido. Além dos xingamentos nas redes sociais, a mãe e os filhos da confinada estão sofrendo preconceito na rua.

Continua depois da Publicidade

“Estamos sofrendo muito preconceito. Entram nas minhas redes sociais e chamam e minha filha de macaca, careca e fedorenta. Xingam muito a gente, não sei mais o que faço. Já fui à delegacia prestar queixa e vou novamente. Nosso advogado está colhendo provas para processar as pessoas, mas não tenho nem dinheiro para pagar a ele”, contou ao jornal “O Globo”.

Carmem, como a mãe também é conhecida, disse que não está levando os netos, de 4 e 7 anos, à escola por medo.

“Estamos evitando levá-los a escola porque estamos com medo. É muita agressão com a nossa família. Descobriram o telefone da nossa casa e ficam ligando para cá e nos ameaçando. Não sei por que estão odiando tanto a minha filha. Ela é uma boa menina e sempre trabalhou com enfermagem, ajudando as pessoas”, disse,

Continua depois da Publicidade

Fora isso, o trio está passando por sérios problemas financeiros. Tanto que Carmem não vê a hora da filha sair do reality show da Globo.

“Ontem tive que pedir dinheiro para um amigo para poder comprar leite para as crianças. Angélica entrou no programa e não está mais recebendo o salário de enfermeira que ela tinha. O dinheiro está fazendo muita falta e estamos passando necessidade. Tudo está sendo muito difícil. Estou contando os dias para esse programa acabar. Nossa vida está um inferno. Se eu soubesse que seria tão ruim, não teria deixado ela participar”, completou.