dontuseme

O adeus a Gularte

Familiares se despedem de brasileiro em meio a muita emoção.


Nesta terça-feira, 28, nove estrangeiros e um indonésio condenados por tráfico, incluindo o brasileiro Rodrigo Muxfeldt Gularte, de 42 anos, serão executado sob forte pressão internacional. A medida deve complicar ainda mais as relações Brasil-Indonésia, afetadas em 17 de janeiro depois do fuzilamento de Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos. O governo brasileiro considera a execução “inaceitável”.

O país asiático desconsiderou os apelos de último minuto da Austrália e das Filipinas, além de ignorar decisão da Corte Constitucional de ouvir uma última contestação da presa filipina. Ao mesmo tempo, a Suprema Corte decidiu abrir uma apuração sobre uma denúncia de corrupção envolvendo o julgamento dos dois australianos.

Continua depois da Publicidade

Os familiares dos condenados foram visitá-los ontem na ilha de Nusakambangan, a “Alcatraz” indonésia. A informação que se tinha ali, apesar de não ser oficial, era de que o fuzilamento deveria ocorrer à meia-noite desta terça, no horário local (14 horas em Brasília). As visitas dos filhos da filipina Mary Jane, Mark Darren, de 6 anos, e Mark Danielle, de 12, foram as mais comoventes. “Se mamãe não voltar para casa, só pensem que estou no céu”, disse Mary Jane ao se despedir.

Até o último momento, o Itamaraty manteve a pressão para transferir Gularte para um hospital, alegando que ele é esquizofrênico. O Ministério das Relações Exteriores não recebeu, até o fim da tarde desta segunda-feira, 27, nenhuma resposta à carta enviada domingo ao governo indonésio – em que se levantava a questão humanitária, apesar de admitir a soberania da Justiça asiática.

O assunto também foi levantado na 6.ª Conferência Internacional de Direitos Humanos, nesta segunda em Brasília, que condenou o fuzilamento. Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a doença mental seria um impeditivo à pena de morte. O presidente da entidade, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, afirmou que a execução viola os direitos humanos.

Continua depois da Publicidade

Os advogados do brasileiro também entraram nesta segunda com novos pedidos, apresentando relatórios médicos.

A prisão

Continua depois da Publicidade

Rodrigo Muxfeldt Gularte foi preso em 2004 ao tentar entrar no país asiático com 6 quilos de cocaína escondidos em uma prancha de surfe. A expectativa era de que a execução do brasileiro fosse pelo menos adiada – a exemplo do que aconteceu com o francês Serge Atlaoui, de 51 anos, que terá um último recurso analisado, segundo a imprensa internacional, por força das ameaças da diplomacia francesa. Um indonésio será executado em seu lugar – mas não se descarta fuzilar o europeu à parte futuramente.

Além de Gularte e do indonésio, há outros oito sentenciados – quatro nigerianos, um indonésio, uma filipina e dois australianos

Continua depois da Publicidade

Fonte: Estadão