Amazonas

“Operação Inocente” prende 17 pessoas em Manaus

Ação se deu em cumprimento de 24 mandados de prisão preventiva.


A Polícia Federal no Amazonas deflagrou na manhã de hoje (12), ação policial denominada ‘Operação Inocentes’*, com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em prática de crimes diversos em desfavor da Capitania dos Portos em Manaus/AM, dentre os quais se destacam tráfico de influência, corrupção, falsificação de Cadernetas de Inscrição e Registro (CIR), dentre outros documentos emitidas pela Marinha do Brasil.

As investigações iniciaram-se a partir de denúncias e documentos elaborados pela Marinha do Brasil (MB), os quais encaminhavam diversas Cadernetas de Inscrição e Registro (CIR) falsificadas, apreendidas durante fiscalizações de rotina realizadas nos rios da Amazônia.
A partir desses dados, a Polícia Federal conseguiu identificar um grupo de despachantes que atuava na falsificação e comércio ilegal desse tipo de documento. A quadrilha também contava com a participação de militares que atuavam em Manaus (AM), empresários e donos de embarcações.

Continua depois da Publicidade

A ação ocorreu, simultaneamente, nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro e Pará, em cumprimento de 24 mandados de prisão preventiva (dentre eles, 08 militares), 07 mandados de busca e apreensão e 12 conduções coercitivas.

Também foi decretado, a pedido da Polícia Federal, o sequestro de bens e valores dos suspeitos no valor de aproximado de R$ 2,4 milhões, além da suspensão das licenças de 08 embarcações.

Foto: Pedro Braga

Foto: Pedro Braga

Segundo o delegado Marcelo Maceiras pelo menos 80 carteiras foram apreendidas e cerca de cem inquéritos abertos para investigar a falsificação de documentos que envolve, além das Carteiras de Inscrição e Registro (CIR), documentação de embarcações e certificados de Ensino Médio. Os preços cobrados pelos falsificadores, conforme Maceiras, era de R$ 600 a R$ 1.200.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o delegado os oito militares presos atuavam na fase de despacho das embarcações, quando é exigida, com a documentação, a CIR, assim como na fiscalização nos rios, onde o militar da Marinha tem acesso ao protocolo e pode flagrar documentos falsos. Para Marceiras todos os despachantes, militares e empresários do setor de navegação atuavam em ação conjunta para burlar a Capitania dos Portos com as falsificações. A investigação da Polícia Federal durou cerca de sete meses.

O nome da operação faz alusão ao fato de que uma boa parte dos escritórios desses Despachantes se localizava nas proximidades da Capitania dos Portos, na Rua dos Inocentes.

Continua depois da Publicidade