Amazonas tem alta na exportação de motocicletas para os EUA

No interior, Presidente Figueiredo é o maior exportador e contabiliza US$ 6 milhões em exportações de ferro-ligas para a China.

Redação AM POST

As exportações de motocicletas do Amazonas para os Estados Unidos (EUA) cresceram 141% no comparativo de Fevereiro/2020 com Fevereiro/2021. É o que revela a análise feita pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), tendo como base de dados, a Balança Comercial do Amazonas de Fevereiro/2021.

Continua depois da Publicidade

No relatório, o item “motocicletas” foi o segundo produto mais exportado, com o volume de US$ 8,8 milhões, equivalente a 12,9% do total, e foi o responsável por 50,11% das aquisições desse produto.

Em um contexto geral, em relação a fevereiro de 2020, a Balança Comercial do Amazonas em fevereiro deste ano apresentou crescimento nas exportações de 30%; em comparação com Janeiro/2021, elas tiveram redução de 5,23%. Os valores exportados alcançaram cifras de US$ 68 milhões.

Novamente, a Venezuela foi o principal destino das exportações amazonenses, o equivalente a 23% do total, e responsável pelo volume de US$ 16 milhões. O item “óleo de soja” foi o principal produto exportado para o país vizinho e teve participação de 23% das exportações.

Continua depois da Publicidade

Considerado isoladamente, o produto mais exportado em fevereiro aparece como “outras preparações alimentícias” (itens para elaboração de bebidas), com o montante de US$ 13 milhões, equivalente a 19% do total exportado. A Bolívia foi o principal destino desse item, com a participação de 41% da exportação.

Já a Alemanha continua comprando “ouro manufaturado” do Amazonas com participação de 78% do produto, que foi o terceiro mais exportado, registrando a cifra de US$ 7,9 milhões, equivalente a 11%.

Continua depois da Publicidade

Importação – As importações para o estado do Amazonas em Fevereiro/2021 registraram o volume de US$ 945 milhões, um aumento de 24% na comparação com Fevereiro/2020, e de 1,14% na comparação com janeiro de 2021. A China se mantém como principal origem das importações, responsável pelo valor de US$ 424 milhões, o que representa a participação 44% das importações totais do Amazonas.

O principal produto importado aparece na lista como “outras partes destinadas aos aparelhos transmissores”, no valor de US$ 131 milhões, o equivalente a 13% das importações. Desse total, cerca de 85% foram originários da China. O item “processadores e controladores” consta no relatório como o segundo produto mais importado, alcançando cifras de US$ 82 milhões, e com participação de 8% sendo a China a origem de 37% das compras desse produto.

Continua depois da Publicidade

Corrente de Comércio – Em fevereiro, a Corrente de Comércio do estado do Amazonas (soma das importações com as exportações) totalizou US$ 1.013,46 milhões, uma variação de +24,8% na comparação com fevereiro de 2020 e de -0,69%, em relação a janeiro de 2021. O saldo em fevereiro foi de US$ -877 milhões.

Municípios do interior – Quanto aos municípios do interior, a Balança Comercial de Fevereiro/2021 destaca Presidente Figueiredo como o maior município exportador, responsável pelo montante de US$ 6 milhões. O município exportou o produto “ferro-ligas” para a China. Já o segundo colocado foi Itacoatiara, com cifras de US$ 1 milhão, com a exportação de “madeira serrada” para a Holanda.

Nas importações, influenciado pelas operações de empresas do setor de extração de gás natural, o município de Silves se destacou como maior importador, registrando o volume de US$ 3 milhões. A Argentina foi o maior parceiro comercial com o produto “máquinas e aparelhos mecânicos”.

Itacoatiara ficou em segundo lugar nas importações, com o valor de US$ 364 mil, tendo o Canadá como principal local de origem das importações do item “outros motores e máquinas motrizes”, como principal produto.

Balança Comercial – A Balança Comercial do Amazonas é um dos estudos produzidos pelo Departamento de Estudos, Pesquisas e Informações (Depi) da Secretaria Executiva de Planejamento (Seplan) da Sedecti. O estudo tem como fonte principal de informação a Secretaria de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais (Secint) do Ministério da Economia (ME).

O objetivo do trabalho é de acompanhar o desempenho mensal das relações comerciais do Amazonas e, dessa forma, permitir o entendimento de sua evolução nas exportações e importações no Estado.

Para acompanhar esses e outros estudos, basta acessar o Painel da Balança Comercial do Amazonas no site da Sedecti: www.sedecti.am.gov.br e clicar na aba “Indicadores e Mapas”.

Para conferir a evolução da Balança Comercial Amazonas e outros estudos, basta acessar o site da Sedecti: www.sedecti.am.gov.br na aba Indicadores e Mapas.

* Com informações da assessoria de imprensa