Eleições 2022

Chico Preto faz desabafo e diz que está vivendo intensa batalha para defender seus propósitos: “eu não desisti”

O político sustenta a pré-candidatura ao Senado até o último minuto e pelo visto ainda não entregou os pontos.


Redação AM POST

O pré-candidato ao Senado, Chico Preto (Avante), que não teve a candidatura confirmada na última quinta-feira (4) na convenção geral da aliança do Avante com o União Brasil como estava programado, fez um desabafo nas redes sociais e disse que não desistiu de defender os ‘propósitos de um Amazonas de bons caminhos’.

Continua depois da Publicidade

“Próximo do final de mais um dia e vivendo uma intensa batalha, para defender os propósitos que me movem, propósitos de um Amazonas de bons caminhos. Eu quero agradecer, a todos que me mandaram mensagens de apoio, de reconhecimento, solidariedade e dizer que eu não desisti. Mas o que me comove é saber que tem muita gente sonha os mesmos sonhos que eu, que acredita nos mesmos valores que eu acredito. Só gratidão.

Chico Preto não teve sua candidatura ao Senado oficializada pelo Avante após pressão da coligação composta também por União Brasil e PL, que já definiu o Coronel Alfredo Menezes (PL) como candidato ao cargo.

O político sustenta a pré-candidatura até o último minuto e pelo visto ainda não entregou os pontos pois o prazo final será no dia 15 de agosto quando as candidaturas serão registradas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM). Na bio do Instagram ele ainda como ‘pré-candidato ao Senado’.

Continua depois da Publicidade

View this post on Instagram

Continua depois da Publicidade

A post shared by ᑕᕼIᑕO ᑭᖇETO 🇧🇷🇵🇹 (@chicopretoam)

Continua depois da Publicidade

No story do Instagram, Chico Preto também comentou com os seguidores que dizem por aí que ele está acabado, mas negou que o jogo tenha terminado para ele. “Eu ouço algumas pessoas durante os últimos dias dizerem: ‘Acabou para o Chico Preto’. Só acaba quando termina, e não terminou. Eu sou flecha rumo ao alvo, pode escrever!”, afirmou.

Outro caso
Um caso parecido é o da ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves (Republicanos), que “relançou” nessa sexta-feira, 5, sua candidatura ao Senado pelo Distrito Federal, após romper acordo costurado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Damares será candidata em chapa avulsa e enfrentará nas urnas a ex-ministra Flávia Arruda, do PL de Bolsonaro. Ainda assim, a ex-ministra decidiu apoiar a candidatura à reeleição de Ibaneis Rocha (MDB), que formou chapa com Flávia, e terá o apoio do União Brasil, com o presidente do partido no DF, Manoel Arruda, como suplente.

A volta de Damares à corrida pelo Senado é mais um capítulo da cisão do bolsonarismo no Distrito Federal. Por intervenção direta do presidente da República, a pastora teve de abandonar sua candidatura na aliança de Ibaneis. Acabou resgatado acordo firmado em 2021 entre o chefe do Executivo local e Flávia Arruda. A costura deixou a ex-ministra da Mulher sem espaço e irritou o Republicanos, que apoia a reeleição de Bolsonaro.