Eleições 2022

Em Manaus, Bolsonaro volta questionar lisura das eleições e diz que presidente do TSE foi relator da liberdade de Lula

O mandatário afirmou que teria havido manipulação nas urnas eletrônicas em 2018 no primeiro turno do pleito, o que o teria impedido de vencer a eleição logo na primeira etapa.


Redação AM POST*

Em Manaus neste sábado (28), o presidente da República Jair Bolsonaro voltou a citar investigações sobre fraudes nas urnas nas eleições de 2018, vencidas por ele. O mandatário afirmou que teria havido manipulação nas urnas eletrônicas no primeiro turno do pleito, o que o teria impedido de vencer a eleição logo na primeira etapa.

Continua depois da Publicidade

“Para falar de Deus você tem que ter liberdade; para falar de urna eletrônica, você não tem liberdade. Para criticar o voto de um ministro do Supremo Tribunal você não tem liberdade, você pode ser preso”, afirmou o presidente, durante o ato de unção apostólica do Ministério Restauração, em Manaus.

“Basta lembrar que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é o mesmo que foi relator da liberdade do Lula, e agora ele tá conduzindo as eleições. Deveria se declarar suspeito, mas não larga o osso”, afirmou. Durante as eleições, o TSE será comandado pelo ministro Alexandre de Moraes, já eleito e com posse marcada para agosto.

O presidente comparou o processo de apuração das eleições aos sorteios da Mega Sena, dizendo que falta segurança na contagem dos votos. “Como são feitas apurações no Brasil? Numa sala cofre, ninguém tem acesso”, disse ele, durante o ato de unção apostólica do Ministério Restauração, em Manaus.

Continua depois da Publicidade

O mandatário também defendeu hoje que as eleições sejam “limpas, confiáveis e auditáveis” e afirmou estar longe de querer “dar um golpe”.

“Eu quero dar golpe? Longe disso. Eu quero paz, tranquilidade, democracia e todos nós queremos respeito. Queremos eleições limpas, confiáveis e auditáveis. Isso é pedir muito?” disse.

Continua depois da Publicidade

Bolsonaro comentou ainda que fez tudo o que estava ao seu alcance, por meio de decretos ou portarias ministeriais, para liberalizar a venda de armas no País. “Muita arma de fogo está sendo vendida para pessoas de bem no Brasil”, disse o presidente “Coincidentemente ou não, o número de assassinatos por arma de fogo tem diminuído no Brasil.”