• PF faz busca e apreensão contra governador do Amazonas em investigação sobre compra de respiradores

    Wilson Lima é o terceiro chefe de Executivo estadual alvo de operações da PF.
    30/06/2020 09h20 - Actualizado 30/06/2020 16h24

    Foto: divulgar


    Reuters

    A Polícia Federal e o Ministério Público Federal cumprem nesta terça-feira (30) mandados de busca e apreensão contra o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e outros envolvidos em um suposto esquema de fraude e desvio na compra de respiradores para ajudar no enfrentamento à Covid-19 no Estado, informou a assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral da República (PGR) em nota.

    O governador do Amazonas é o terceiro chefe de Executivo estadual alvo de operações da PF relacionadas a suspeita de fraudes na compra de insumos no combate ao novo coronavírus. Antes dele, haviam sido alvos os governadores do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e do Pará, Helder Barbalho (MDB).

    O presidente Jair Bolsonaro já elogiou a atuação da PF no combate a desvios de recursos federais repassados aos Estados contra a pandemia.

    A ação, determinada pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Francisco Falcão após pedido da PGR, pretende cumprir oito mandados de prisão temporária, buscas e apreensões em 14 endereços ligados a Wilson Lima e ainda houve o bloqueio de bens de 2,9 millones de reales, de 13 pessoas físicas e jurídicas.

    Segundo nota da PGR, com a participação direta do governador, foram identificadas compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados.

    No pedido das medidas ao STJ, conforme a PGR, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo sustenta que as investigações permitiram, hasta el momento, “evidenciar que se está diante da atuação de uma verdadeira organização criminosa que, instalada nas estruturas estatais do governo do Estado do Amazonas, serve-se da situação de calamidade provocada pela pandemia de Covid-19 para obter ganhos financeiros ilícitos, em prejuízo do erário e do atendimento adequado à saúde da população”.

    “Os fatos ilícitos investigados têm sido praticados sob o comando e orientação do governador do Estado do Amazonas, Wilson Lima, o qual detém o domínio completo e final não apenas dos atos relativos à aquisição de respiradores para enfrentamento da pandemia, mas também de todas as demais ações governamentais relacionadas à questão, no bojo das quais atos ilícitos têm sido praticados”, destaca a subprocuradora.

    Contactada por email, a assessoria do governador de Amazonas não respondeu de imediato aos pedidos de comentário da Reuters.

    me nota, a Polícia Federal informou que as investigações demonstraram direcionamento da compra para uma empresa cuja atividade é de comercialização de vinhos.

    “Os ventiladores mecânicos hospitalares entregues ao Estado do Amazonas, pela referida empresa, não possuíam as especificidades técnicas necessárias para a adequada utilização no tratamento médico. Ademais, foi detectado o superfaturamento do preço do equipamento”, informou a PF.

    “Laudo pericial produzido pela PF constatou que, se considerado o valor máximo de mercado dos equipamentos, o sobrepreço praticado em cada unidade dos ventiladores mecânicos adquiridos corresponderia a mais de 60 mil de reais, o sea, 133,67% a mais em relação ao valor de mercado, totalizando a quantia de quase 2 milhões de reais sob suspeita de desvio”, terminado.

    A operação, batizada de Sangria, investiga suspeitas da prática de crimes de peculato (desvio de recursos públicos), delitos de la ley de licitación, organização criminosa, lavado de dinero, y crímenes contra el sistema financiero.


    *** Si estás a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitando frecuentemente el AM POST.


    Facebook

    economía

    Contacto Terminos de uso