• SSP-AM amplia sistema policial para identificação de veículos clonados

    Graças ao novo sistema, a expectativa é superar os números de recuperação do ano passado.
    24/06/2020 11h27 - Actualizado 24/06/2020 11h27

    Foto: divulgar


    Escribiendo POST AM

    Para reforçar o trabalho policial nas ruas, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM) fez melhorias em seu sistema tecnológico para facilitar a identificação de veículos clonados. As atualizações no Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) incluíram, todavía, novos mecanismos para a recuperação de celulares roubados e a possibilidade de pessoas transexuais e travestis fazerem registros de Boletim de Ocorrência com o nome social.

    As mudanças no Sisp possibilitam aos policiais, nas ruas, o acesso ao Dual do automóvel, o sea, o certificado de porte obrigatório para circulação que comprova o licenciamento anual, que revela a numeração do documento oficial. O chefe do Departamento de Tecnologia (Detec), delegado Bruno Hitotuzi, explica que a nova medida busca facilitar a identificação de carros clonados.

    “Os dois carros são semelhantes, mas a numeração do documento, que é um papel-moeda, é diferente. Entonces, com a mera conferência do Dual, é possível identificar se não pertence àquele documento e vice-versa. E isso facilita o trabalho de identificação dos veículos”.

    Além do Dual, o novo sistema possibilita também comprovar a numeração de outras peças do veículo. “Agora, permite verificar o número do motor, do chassi, do lacre. Todos esses registros têm que bater. Essas informações estão disponíveis para os policiais”, salientou.

    Clonagem – Após o roubo, há o processo de clonagem, afirma o delegado Hitotuzi. Con eso, o criminoso responsável pelo delito cria uma espécie de cópia do carro para que ele seja usado ilegalmente. “Ficam dois carros com a mesma placa, cor, modelo, ano, circulando pela cidade”.

    A clonagem permite que o criminoso use o carro sem ter que arcar com as contas que o dono paga. “A pessoa dona do carro original fica pagando o IPVA, o documento do veículo, enquanto o ‘clonador’, fica circulando com o carro como se fosse legal, porque tem alguém pagando IPVA por ela”.

    O delegado ressalta que o processo de identificação de veículos clonados é muito difícil. “Praticamente é preciso desmontar o carro”, dijo. Sin embargo, ele ressalta que, graças ao novo sistema, a expectativa é superar os números de recuperação do ano passado. "En 2020, a premissa é ter muita recuperação de veículos roubados e combater esse tipo de crime chegando ao ponto de reduzir a índices mínimos”.

    * Com informações da assessoria de Imprensa


    *** Si estás a favor de una prensa totalmente libre e imparcial, colaborar disfrutando de nuestra página en Facebook y visitando frecuentemente el AM POST.


    Facebook

    economía

    Contacto Terminos de uso