Prefeito de Itacoatiara impede time que disputa Brasileirão Feminino de treinar no único estádio do município

O treinador da equipe criticou a decisão e reclamou por não ter havido sequer uma prévia notificação ao clube.

Redação AM POST

O prefeito de Itacoatiara, Mário Abrahim (PSC), impediu na última quinta-feira (3) o time feminino JC Futebol Clube, que disputa a segunda rodada da fase de grupos do Brasileirão Feminino – Série A2, de treinar no estádio Floro Mendonça, o único do município (distante 270 quilômetros de Manaus).

Continua depois da Publicidade

O time feminino teve que treinar em um campo improvisado para representar a cidade na competição nacional. O treinador da equipe, Fernando Lage, se mostrou um pouco frustrado com a decisão, que barrou a preparação de sua equipe para o duelo de domingo (6), e reclamou por não ter havido sequer uma prévia notificação ao clube.

“Não fomos notificados por escrito, foi ‘de boca’, que não poderíamos treinar mais no estádio. Como tínhamos treinos marcados até sábado, fomos ao estádio e, já dentro, fomos proibidos de usar”, disse o treinador revoltado.

O argumento oficial da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer – SEMJEL foi o de manter a qualidade do gramado, de acordo com as recomendações da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), porém, pouco tempo depois da proibição foi autorizada uma pelada no mesmo local.

Continua depois da Publicidade

Acredita-se que a ação do mandatário seja, na verdade, contra o presidente do time, empresário João Caros, que entrou com recurso contra o resultado de licitação da merenda escolar no município, alegando que das 13 empresas concorrentes, foi classificada uma localizada em Manaus que nunca forneceu itens para a merenda escolar em nenhum município.

Há uma certa revolta entre os empresários de Itacoatiara por conta da preferência dada pela atual administração a empresas de fora do município, especialmente de Manaus. O pão da merenda escolar, por exemplo, sairá da capital, a 280 quilômetros. Na “Velha Serpa” existem nada menos que 37 panificadoras. Nenhum delas foi qualificada para fornecer à Prefeitura.

Continua depois da Publicidade