Famosos

Juliana Paes ironiza ‘silêncio’ da esquerda nas redes após protestos em Cuba e é chamada de ‘bolsominion’

No mês passado, Juliana Paes disse não ser “bolsominion”.

Redação AM POST*

A atriz Juliana Paes voltou a causar polêmica nas redes sociais após fazer comentário crítico ao regime comunista de Cuba. A artista foi atacada e chamada de “bolsonarista” ao ironizar o silêncio da esquerda no Twitter enquanto cubanos protestam no país exigindo liberdade e democracia. Ela foi sarcástica com usuários da plataforma de ideologias de esquerda e à suposta falta de posicionamento em relação as manifestações no território cubano.

Continua depois da Publicidade

Juliana alfinetou aqueles que permanecem em silêncio sobre o regime no país: “Mas hoje tá um silêncio naquele Twitter… (ou tô delirando?) #cubalibre”, disse, acrescentando alguns emojis de risos.

View this post on Instagram

Continua depois da Publicidade

A post shared by Renata Barreto (@renata.jbarreto)

Continua depois da Publicidade

Na postagem, a economista argumenta sobre o seu entendimento de contradições entre os socialistas que moram no Brasil e o regime cubano. “NÃO DESVIE O OLHAR. Cuba é refém da ideologia que você defende. Tenha vergonha!”, diz Renata.

‘Não sou bolsominion’
O comentário da atriz gerou engajamento nas redes sociais. Alguns usuários voltaram a alegar que a falta de posicionamento da atriz era na verdade uma tentativa de esconder seu lado ideológico e em favor do presidente Jair Bolsonaro. “Juliana Paes se veste de bolsominion, anda com bolsominion, fala igual bolsominion, MAS NÃO É BOLSOMINION”, ironizou um usuário.

Continua depois da Publicidade

No mês passado, Juliana Paes disse não ser “bolsominion”. A atribuição foi dada após a atriz receber criticas por defender a médica Nise Yamaguchi, durante depoimento na Comissão parlamentar de inquérito da Covid: “Estamos vivendo um dos momentos mais nebulosos. O mundo inteiro está angustiado. Qualquer assunto é politizado. É um maniqueísmo. Eu não sou bolsominion, como adoram acreditar”.

*Com informações do Correio