Juíza diz que justiça federal não autorizou nenhum fura fila a tomar 2ª dose de vacina contra Covid

A fala da magistrada ocorreu após repercussão na imprensa local da vacinação de pessoas suspeitas de furarem fila terem se vacinado novamente.

Redação AM POST

A juíza Jaiza Fraxe, da 1ª Vara Federal Cível do Amazonas, usou o Twitter, na noite desta quarta-feira, 10, para afirmar que não houve autorização para que fura-filas tomassem a segunda dose da vacina contra Covid-19 e que quem repetiu o erro “sofrerá as penas da ação de improbidade”.

Continua depois da Publicidade

Em despacho assinado em 23 de janeiro de 2021, ela determinou que as pessoas que furaram fila da vacina contra a Covid-19 não teriam direito de receber a segunda dose do imunizante e estariam sujeitas à prisão em flagrante.

“A informação é que a Justiça Federal não autorizou a nenhum fura fila permanecer no ilícito, descumprindo o plano nacional de imunização do MS (Ministério da Saúde). Pessoas estão morrendo por causa desse tipo de comportamento. Quem repetiu o erro, após o devido processo legal e mediante as provas devidas, sofrerá as penas da ação de improbidade, em razão do dano ao erário, do privilégio ilícito e da infração do princípio da moralidade”, escreveu a juíza no Twitter.

A fala da magistrada ocorreu após repercussão na imprensa local da vacinação de pessoas suspeitas de furarem fila da imunização em Manaus como os médicos David Louis Dallas, filho do ex-deputado estadual Wanderley Dallas, e gêmeas Isabelle e Gabrielle Lins que foram denunciados já que nenhum deles vinha atuando na linha de frente do combate à pandemia.

Continua depois da Publicidade

Eles são recém-formados e tiveram suas nomeações publicadas no Diário Oficial da prefeitura de Manaus nos dias 18 e 19 de janeiro de 2021. Desse modo, não haveria tempo para os médicos terem trabalhado na linha de frente nos hospitais que estão atuando contra a covid-19.

Fraxe também afirmou que pode haver “condenação para indenizar o grave dano coletivo”. “Está na lei e será cumprida para todos, pois não trabalhamos com privilégios”, disse a juíza.

Continua depois da Publicidade

Leia postagem: