Mari Ferrer: MP afirma que vídeo da audiência foi manipulado

O juiz afirmou que não ficou provado que a influenciadora estava alcoolizada ou sob efeito de droga a ponto de ser considerada vulnerável.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) se posicionou nesta quarta-feira (4) sobre o vídeo da audiência da influenciadora Mariana Ferrer, divulgado na terça-feira (3) pelo site The Intercept Brasil, em que a jovem aparece sendo humilhada pelo advogado Cláudio Gastão da Rosa Filho.

Segundo o órgão, os trechos em que o promotor e o juiz interferem contra os excessos foram suprimidos, dando a impressão de que, na versão editada, eles permitiram a atitude do defensor. O MPSC ainda informou que já entrou com um pedido de quebra de sigilo para que o vídeo possa ser divulgado na íntegra.

O requerimento da retirada do sigilo das suas alegações finais e dos trechos das audiências dos dias 20 e 27 de julho foi feito pelo próprio promotor Thiago Oliveira, que representou o MP na ação, para provar suas interrupções com o objetivo de evitar o constrangimento da vítima.

Continua depois da Publicidade

O MP ainda declarou que o vídeo não condiz com a realidade dos fatos e que foram seguidas todas as normas de audiências, que impedem que o MP ou Juiz interrompam o advogado de defesa no momento de inquirir a vítima, e que, nos momentos oportunos (e não divulgadas no vídeo), foram feitas interferências em favor da vítima.

André de Camargo Aranha foi inocentado pelo juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, após o magistrado entender que a acusação de estupro só foi baseada nos relatos de Mariana e sua mãe. O juiz afirmou que não ficou provado que a influenciadora estava alcoolizada ou sob efeito de droga a ponto de ser considerada vulnerável.

Fonte: Pleno.News

Continua depois da Publicidade