Manaus

Alejandro Valeiko é encaminhado para cadeia pública

Ele deve passar a noite no Centro de Recebimento e Triagem, do Centro de Detenção Provisório Masculino e só amanhã (8) saberá onde cumprirá prisão provisória.


Natan Gaia – Redação AM POST

Após o desembargador José Hamilton Saraiva dos Santos, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), ter decretado anulação da decisão de prisão domiciliar, Alejandro Molina Valeiko, filho da primeira-dama de Manaus, Elisabeth Valeiko, foi encaminhado a cadeia pública na noite desta segunda-feira (7).

Continua depois da Publicidade

Ele foi levado ao Instituto Médico Legal (IML), para realizar exames de corpo de delito, procedimento padrão antes do ingresso no sistema prisional do Estado. Alejandro deve passar a noite no Centro de Recebimento e Triagem, do Centro de Detenção Provisório Masculino e só amanhã (8) saberá onde cumprirá prisão provisória. O magistrado também determina na decisão que ele deve permanecer separado dos demais detentos em presídio.

Alejandro estava, segundo sua defesa, em uma clínica de reabilitação no Rio de Janeiro, chegou hoje a Manaus e foi direto para a Delegacia Especializada em Homicídios e Sequetros (DEHS), onde prestou depoimento sobre o homicídio do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos, que foi encontrado morto na tarde da última segunda-feira (30/09) em um terreno no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus, horas depois de estar no condomínio Passaredo, no bairro Ponta Negra, na casa de Alejandro.

Conforme a decisão da desembargadora-plantonista Joana dos Santos Meirelles, que foi derrubada nesta tarde, o filho da primeira-dama após sair da delegacia ficaria em casa, com vigilância integral e acompanhamento médico.

Continua depois da Publicidade

Questionado sobre a possibilidade de manter Alejandro detido na DEHSe não em presídio, o delegado Paulo Martins disse que vai cumprir o que determinou o magistrado José Hamilton. “Tem vaga mas nós recebemos a determinação de recolhê-lo na penitenciária, então nós vamos cumprir a ordem judicial determinada pelo desembargador”, declarou.

Na saída da especializada, Alejandro Valeiko, disse em poucas palavras que é inocente. “Não tenho nenhuma participação no crime”, afirmou o suspeito antes de entrar em viatura policial.

Continua depois da Publicidade