Após pedido de prisão preventiva, David Almeida, diz que ingressará com medidas cabíveis contra membros do MP-AM

O prefeito de Manaus disse que está profundamente indignado com a atuação ilegal e arbitrária de membros do Gaeco.

Redação AM POST

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) pediu a prisão preventiva do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), e da secretária Municipal de Saúde, Shadia Hussami Hauache Fraxe, no processo que apura os casos de fura-fila no início da primeira fase da campanha de vacinação contra Covid-19 na capital.

Continua depois da Publicidade

Em nota, o prefeito de Manaus disse que está profundamente indignado com a atuação ilegal e arbitrária de membros do Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), em descompasso com o histórico de atuação institucional do Parquet.

Ele também informa que ingressará com as medidas cabíveis contra os responsáveis. A medida cautelar foi rejeitada pelo Poder Judiciário estadual, de forma correta, principalmente por não ter havido qualquer ato realizado pelo Prefeito.

Além disso, David afirma que não há o menor indício de desvio de recursos públicos, ato lesivo ao erário ou repercussão criminal. Ele reitera a confiança no Poder Judiciário, nas instituições e na gestão transparente da cidade de Manaus.

Continua depois da Publicidade