Manaus

Carta em defesa da Zona Franca de Manaus será entregue ao governo federal, afirma David Almeida

O gestor municipal revelou que uma comitiva formada com a bancada federal já pré-agendaram uma reunião com o ministro Paulo Guedes e que faz questão de participar do encontro.


Redação AM POST

O prefeito de Manaus, David Almeida, se reuniu nesta segunda-feira, 28/2, com lideranças políticas e empresariais do Estado, para que, juntos, enviem uma Carta Aberta ao governo federal em defesa da Zona Franca de Manaus (ZFM), atingida duramente na última sexta-feira, 25/2, pelo Decreto Federal nº 10.979, que reduz em 25% a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), tornando insustentável a produção na capital amazonense.

Continua depois da Publicidade

O encontro aconteceu no Palácio Rio Branco, localizado no Centro Histórico de Manaus, e contou com a presença do senador Omar Aziz, do vice-presidente da Câmara e deputado federal, Marcelo Ramos, representantes da bancada federal e estadual, vereadores e os presidentes da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Antônio Silva, e do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco.

Após a reunião, David Almeida anunciou que uma Carta Aberta seja enviada ao governo federal solicitando que os incentivos a ZFM sejam mantidos, garantindo assim a competitividade do modelo econômico instalado no Amazonas.

“Hoje, dia 28, comemoramos 55 anos da Zona Franca e estamos aqui, nessa reunião com representantes da indústria e da política para discutir a defesa dos interesses do nosso modelo de desenvolvimento econômico. Nós estamos unidos, e o povo amazonense está representado nessa mesa. O Polo Industrial foi muito abalado e prejudicado com o decreto publicado pelo governo federal, e nós queremos que se mantenham as vantagens comparativas do PIM. Não somos contra o decreto que beneficia 300 mil indústrias, mas que esse decreto seja estendido e outro seja publicado uma extensão mantendo essas vantagens da Zona Franca de Manaus. Esse é o primeiro caminho, a união e o diálogo. Posteriormente, caso não consigamos, temos outros caminhos e não excluímos combater a própria publicação”, enfatizou Almeida .

Continua depois da Publicidade

O gestor municipal revelou que uma comitiva formada por senadores e deputados federais já pré-agendaram uma reunião com o ministro Paulo Guedes e que faz questão de participar do encontro.

“Buscamos um discurso unificado e soluções para que possamos reverter essa decisão expondo o ponto de vista político e técnico. Aqui, ninguém está procurando o protagonismo. O nosso partido aqui é o Amazonas e o nosso candidato é a Zona Franca de Manaus. Estamos todos no mesmo partido, trabalhando pelo mesmo candidato, que é o nosso modelo de desenvolvimento. Infelizmente, no dia que completamos 55 anos de Zona Franca de Manaus, recebemos o pior presente que poderíamos. Essa é a realidade”, afirmou o prefeito.

Continua depois da Publicidade

Apoio nacional
Após a publicação do decreto, não apenas políticos do Amazonas, mas representantes de outros estados demonstraram a insatisfação com a decisão do governo federal, como afirmou o senador Omar Aziz.

“Nós não estamos só. Precisamos deixar claro que muita gente da região Norte e Nordeste não concordam com esse tipo de política. Exemplo disso foi o senador Randolfe Rodrigues (PE) que postou um vídeo criticando a ação do governo federal. O Brasil não é apenas o Sul do país, não só São Paulo, onde tem 80% das indústrias implantadas. Precisamos pensar no Brasil como uma nação e buscar soluções que sejam benéficas para todos”, citou Aziz.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o deputado Marcelo Ramos, a resposta do Amazonas à decisão federal deve ser imediata vista a urgência na implantação de um novo decreto.

“Precisamos de uma alternativa que mantenha o decreto no resto do país, mas preserve a Zona Franca. Não podemos falar de uma nova matriz econômica nesse momento, porque a implementação do decreto é para amanhã, e a criação desse novo sistema é para 30 anos. Não podemos deixar a população do Amazonas passar necessidade nesse período”, finalizou.