Pesquisar por em AM POST

Mundo

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza

ONU determina fim dos ataques, mas Israel rebate alegações como ‘falsas, ultrajantes e nojentas’, afirmando que a campanha não visa destruir a população civil.

  • Por AM POST

  • 27/05/2024 às 09:46

  • Atualizado em 27/05/2024 às 10:01

  • Leitura em cinco minutos

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza

Israel ignora decisão da Corte Internacional de Justiça e bombardeia Rafah, no sul de Gaza – Fumaça em Rafah após ataque de Israel nesta sexta-feira (24) — Foto: REUTERS/Mohammed Salem/File Photo

Contexto e Determinação da Corte Internacional de Justiça

Israel ignorou a decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ) de interromper todas as operações militares em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, e prosseguiu com os bombardeios na região. Imagens capturadas por câmeras mostraram fumaça preta se espalhando por diversos pontos da cidade, demonstrando a continuidade dos ataques.

A Corte Internacional de Justiça é o tribunal mais alto da Organização das Nações Unidas (ONU) responsável por julgar disputas entre Estados. Na sexta-feira (24), a Corte determinou não apenas o fim das operações militares em Rafah, mas também a permissão para a entrada de ajuda humanitária. Apesar de tais decisões serem obrigatórias, a Corte não possui meios de força para garantir sua execução.

PUBLICIDADE

Resposta de Israel à Decisão da Corte

Desde o pronunciamento da Corte, Israel deixou claro que não mudará sua postura e continuará com os ataques. O governo israelense declarou que as justificativas apresentadas pela ONU são “falsas, ultrajantes e nojentas” e que a campanha militar “não levou e não vai levar à destruição da população palestina civil em Rafah”. Além disso, afirmou que continuará sua operação na cidade “respeitando o direito internacional”. Para o ministro israelense das Finanças, Bezalel Smotrich, a ordem de interromper os ataques é “uma demanda para que Israel não exista”.

Pedido de Emergência pela África do Sul

A sentença da Corte foi proferida após um pedido de emergência apresentado pelo governo da África do Sul ao tribunal, sediado em Haia, na Holanda. O governo sul-africano acusou as forças israelenses de genocídio, alegação que Israel nega, afirmando que está agindo em legítima defesa.

O líder da oposição de Israel, Yair Lapid, criticou a medida da CIJ, chamando-a de “colapso moral e um desastre moral”, por não exigir que o Hamas devolva todos os reféns.

PUBLICIDADE

Início das Ofensivas em Rafah

Israel iniciou a ofensiva em Rafah, localizada no extremo sul da Faixa de Gaza, no início deste mês, apesar da forte pressão internacional, incluindo dos Estados Unidos. A comunidade internacional temia que um massacre ocorresse na cidade, vista como o “último refúgio” para palestinos que fugiram de incursões israelenses no norte e no centro do território palestino.

Atualmente, cerca de 1,5 milhão de pessoas vivem em Rafah, representando mais da metade da população total da Faixa de Gaza. A cidade, que faz fronteira com o Egito, também é a principal rota para a entrada de ajuda humanitária, já que outras vias de saída de Gaza, todas nas fronteiras com Israel, foram fechadas no início da guerra entre Israel e o Hamas.

PUBLICIDADE

Apesar dos apelos internacionais, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou os pedidos externos, alegando que Rafah é o último bastião de poder do Hamas e que, por isso, seguirá com seu plano até o fim.

Processo na CIJ

O caso mais amplo da África do Sul na CIJ acusa Israel de orquestrar um genocídio contra o povo palestino. A Corte ainda não se pronunciou sobre o conteúdo dessa acusação, mas rejeitou a exigência de Israel de arquivar o caso. Em decisões anteriores, o tribunal ordenou a Israel que evitasse atos de genocídio contra os palestinos e permitisse o fluxo de ajuda para Gaza, sem ordenar a suspensão das operações militares israelenses.

PUBLICIDADE

Israel lançou sua guerra aérea e terrestre contra Gaza em outubro, após militantes liderados pelo Hamas invadirem comunidades do sul do país, matando 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns. Desde então, mais de 35 mil palestinos, a grande maioria na Faixa de Gaza, foram mortos na ofensiva israelense, conforme o Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas.

Reflexão Final

A continuidade dos bombardeios em Rafah, mesmo após a determinação da CIJ, levanta questões sobre a eficácia das decisões internacionais em conflitos de longa data e a responsabilidade dos Estados em cumprir essas determinações. A situação complexa exige uma reflexão profunda sobre as ações de ambos os lados e a busca por soluções pacíficas e justas.

Redação Site On

Fonte: G1

O AM Post apoia a causa autista
blank

O autismo não limita as pessoas. Mas o preconceito sim, ele limita a forma com que as vemos e o que achamos que elas são capazes.

- Letícia Butterfield

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank