Pesquisar por em AM POST

Mundo

Papa Francisco cobra compromisso com metas climáticas e menciona ‘ponto sem retorno’

O pontífice ampliou o alerta sobre os danos “irreversíveis” que já estão ocorrendo para as pessoas e o planeta.

  • Estadão Conteúdo

  • 04/10/2023 às 15:26

  • Leitura em oito minutos

blank

Foto: VATICAN MEDIA/via REUTERS

O papa Francisco desafiou os líderes mundiais nesta quarta-feira, 4, a se comprometerem com objetivos vinculados em diminuir as alterações climáticas antes que seja tarde demais, advertindo que a criação divina está cada vez mais aquecida e rapidamente se aproximando de um “ponto sem retorno”.

Em uma atualização de sua importante encíclica de 2015 sobre o meio ambiente, o papa Francisco ampliou o alerta sobre os danos “irreversíveis” que já estão ocorrendo para as pessoas e o planeta, lamentando que, mais uma vez, os mais pobres e vulneráveis do mundo estejam sofrendo as consequências mais graves.

PUBLICIDADE

“Agora não conseguimos deter os enormes danos que causamos. Mal temos tempo para evitar danos ainda mais trágicos”, alertou.

O papa mirou nos Estados Unidos, observando que as emissões per capita do país são duas vezes maiores que as da China e sete vezes maiores que a média nos países pobres. Embora os esforços individuais e familiares estejam ajudando, “podemos afirmar que uma mudança ampla no estilo de vida irresponsável ligado ao modelo ocidental teria um impacto significativo a longo prazo”, disse ele.

O documento, “Louvado seja Deus”, foi lançado na festa de São Francisco de Assis, o homônimo do pontífice, amante da natureza, e tinha como objetivo estimular as autoridades a se comprometerem com metas climáticas vinculativas na próxima rodada de negociações da ONU, em Dubai.

PUBLICIDADE

Usando dados científicos precisos, argumentos diplomáticos contundentes e uma pitada de raciocínio teológico, o papa Francisco apresentou um imperativo moral para o mundo fazer a transição dos combustíveis fósseis para a energia limpa, com medidas que sejam “eficientes, obrigatórias e prontamente monitorizadas”.

“O que nos é pedido nada mais é do que uma certa responsabilidade pelo legado que deixaremos, quando deixarmos este mundo”, disse ele.

PUBLICIDADE

Do jeito que está, a encíclica “Louvado seja” de Francisco, de 2015, foi um momento decisivo para a Igreja Católica. Foi a primeira vez que um papa usou um dos seus documentos de ensino mais importantes para reformular o debate climático em termos morais.

Nesse texto, que foi citado por presidentes, patriarcas e primeiros-ministros e estimulou um movimento ativista na Igreja, o papa apelou a uma revolução cultural ousada para corrigir um sistema econômico “estruturalmente perverso”, em que os ricos exploram os pobres, transformando a Terra num uma “imensa pilha de sujeira”.

PUBLICIDADE

Embora as encíclicas devam resistir ao teste do tempo, Francisco disse sentir que era necessária uma atualização do seu original porque “as nossas respostas não foram adequadas, enquanto o mundo em que vivemos está em colapso e pode estar se aproximando do ponto de ruptura”.

Ele criticou as pessoas, incluindo as da Igreja, que duvidam da ciência climática dominante sobre as emissões de gases com efeito de estufa que retêm o calor, esvaziando sarcasticamente os seus argumentos e mostrando a sua impaciência com a sua mentalidade de lucro a todo custo.

Demonstrando sua confiança em “dados científicos alegadamente sólidos”, ele disse que os argumentos dos que tratam sobre potenciais perdas de emprego devido a uma transição para energia limpa eram falsos. E citou dados que mostram que o aumento das emissões e o correspondente aumento das temperaturas globais aceleraram desde a Revolução Industrial, e particularmente nos últimos 50 anos.

“Já não é possível duvidar da origem humana – ‘antrópica’ – das alterações climáticas”, afirmou.

Embora reconheça que “certos diagnósticos apocalípticos” podem não ser fundamentados, ele disse que a inação não é mais uma opção. A devastação já está em curso, disse ele, incluindo alguns danos já “irreversíveis” causados à biodiversidade e à perda de espécies que só se transformarão numa bola de neve, a menos que sejam tomadas medidas urgentes agora.

“Pequenas mudanças podem causar outras maiores, imprevistas e talvez já irreversíveis, devido a fatores de inércia”, observou. “Isso acabaria precipitando uma cascata de eventos com efeito de bola de neve. Nenhuma intervenção será capaz de interromper um processo uma vez iniciado.”

O documento era incomum para uma exortação papal e parecia mais um relatório científico da ONU ou um discurso num comício de jovens sobre o clima “Sextas-feiras pelo Futuro”. Ele carregava um tom afiado e irrestrito e suas notas de rodapé tinham muito mais referências aos relatórios climáticos da ONU, à NASA e às encíclicas anteriores do próprio Papa Francisco do que às Escrituras.

“Louvado seja Deus” foi emitido antes da próxima rodada de negociações climáticas da ONU, que começa em 30 de novembro, em Dubai. Tal como fez com a sua encíclica “Louvado seja”, de 2015, escrita antes do início da conferência climática de Paris, o Papa quis lançar a questão do aquecimento global em termos morais rígidos para estimular decisões corajosas por parte dos líderes mundiais.

No histórico Acordo de Paris de 2015, países de todo o mundo concordaram em tentar limitar o aquecimento a 1,5 ºC ou pelo menos 2 ºC desde os tempos pré-industriais. Já aqueceu cerca de 1,1°C desde meados do século 19.

Francisco, porém, disse que está claro que a meta de Paris será violada e em breve atingirá 3°C, e que os efeitos já são óbvios, com o aquecimento dos oceanos, o derretimento das geleiras e o mundo registrando ondas de calor recordes e eventos climáticos extremos.

“Mesmo que não cheguemos a este ponto sem retorno, é certo que as consequências seriam desastrosas e teriam de ser tomadas medidas precipitadas, com custos enormes e com graves e intoleráveis efeitos econômicos e sociais”, alertou.

Desde 2015, o mundo expeliu no ar pelo menos 288 bilhões de toneladas de dióxido de carbono que retêm calor, sem incluir as emissões deste ano, de acordo com os cientistas do Global Carbon Project. Em agosto de 2015, havia 399 partes por milhão de dióxido de carbono no ar, e em agosto de 2023 era de 420 partes por milhão, um salto de 5%.

O verão recorde de calor de 2023 é um 0,33ºC mais quente do que o verão de 2015, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA. A Antártica e a Groenlândia perderam mais de 2,1 bilhões de toneladas de gelo terrestre, desde o verão de 2015, segundo a NASA.

E só nos Estados Unidos, ocorreram 152 catástrofes climáticas ou meteorológicas que causaram bilhões de dólares em danos desde a primeira mensagem climática do papa, com custos ajustados à inflação.

Francisco concluiu o seu documento observando a taxa de emissões nos EUA e pedindo que façam melhor.

“‘Louvado seja Deus’ é o título desta carta. Pois quando os seres humanos afirmam tomar o lugar de Deus, eles se tornam os seus piores inimigos”, escreveu ele.

Estadão Conteúdo

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank