Pesquisar por em AM POST

Polícia

Gil Romero afirmou em depoimento que teria pago para darem corretivo em Débora e não para matar, diz Polícia

Segundo a Polícia Civil, Gil disse ter oferecido R$ 500 para comparsas darem um “corretivo” em Débora para ela parar de dizer que estava grávida dele.

  • Por AM POST

  • 09/08/2023 às 20:50

  • Leitura em três minutos

Gil Romero Machado Batista, 41, chegou na noite desta quarta-feira (9) em Manaus após ter sido preso ontem (8) no estado do Pará. Ele é suspeito de matar na capital amazonense a jovem Débora da Silva Alves, que tinha 18 anos e estava grávida de oito meses de um bebê que ele seria o pai.

Segundo a Polícia Civil, os dois tiveram um caso extraconjugal, pois o homem era casado, e a jovem acabou engravidando. Contudo, Romero não aceitou a gestação e chegou dar remédio para Débora abortar, mas o medicamento não funcionou e a vítima decidiu levar a gestação até o final. Ela desapareceu após sair de casa para encontrá-lo.

PUBLICIDADE

De acordo com a delegada Débora Barreiros, em primeiro interrogatório de Romero ocorrido no Pará ela contou que não presenciou e crime e teria pago R$ 500 para comparsas apenas darem um ‘corretivo’ Débora para ela parar de dizer que estava grávida dele.

Conforme a versão do suspeito, ele de fato se encontrou com a jovem para tentar tratar sobre a paternidade dele e disse para ela que iria comprar o berço da criança, a levou para dentro da usina onde trabalhava como vigilante. Porém no local, foi chamado por seu inspetor e precisou deixar Débora sob os cuidados de José Nilson, segundo envolvido preso no dia 4 deste mês, que estava na companhia de uma terceira pessoa ainda não identificada.

Com a chegada do inspetor da usina ele precisou esconder a jovem junto com o José e essa terceira pessoa dentro do galpão. Em seguida ele foi fazer o seu trabalho que era acompanhar esse inspetor. Ele conta que esse inspetor ficou na usina fazendo uma ronda junto a outros vigilantes por cerca de 3 horas e quando retornou ao galpão essa jovem já estaria morta”, disse a delegada durante coletiva de imprensa.

PUBLICIDADE

Ele disse que se desesperou [quando viu Débora morta], mas mandou que dessem um jeito naquela situação, pois no dizer dele a ordem que ele tinha dado para José era que desse um corretivo nessa jovem, para que ela parasse de dizer que estava grávida dele, pois ele era casado“, completou.

Sobre o bebê que Debora estava esperando, Gil Romero afirma que se aconteceu a retirada da criança da barriga da jovem, foi pelas mãos de José Nilson conhecido como ‘Nego’ e o terceiro elemento ainda não identificado.

PUBLICIDADE

Ele diz que se alguma coisa de errado aconteceu no corpo da jovem foi pelas mãos de José Nilson e da terceira pessoa, não pelas mãos dele”, concluiu a delegada Débora Barreiros.

Vale ressaltar que versão de Gil Romero é contrária ao depoimento de José, que acusa Gil de matar Débora e forçá-lo a participar da ocultação do corpo.

PUBLICIDADE

Na última quinta-feira (3) o corpo de Débora foi encontrado por uma equipe da DEHS, em uma área de mata no Mauazinho, zona leste, após José Nilson indicar onde o cadáver estaria.

Redação AM POST*

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank