Pesquisar por em AM POST

Polícia

Homem casado é suspeito de matar jovem com quem teve caso por não aceitar gravidez dela em Manaus, diz polícia

O corpo da vítima foi encontrado carbonizado dentro de um camburão.

  • Por AM POST

  • 04/08/2023 às 13:30

  • Atualizado em 04/08/2023 às 17:46

  • Leitura em dois minutos

O vigilante, Gil Romero Machado Batista, está sendo procurado pela Polícia Civil suspeito de matar a jovem Débora da Silva Alves, que tinha 18 anos e estava grávida de oito meses. O corpo da vítima foi encontrado carbonizado, em avançado estado de decomposição, dentro de um camburão, nessa quinta-feira (3) em uma área de mata localizada próximo ao Parque Mauá, no bairro Mauzinho, na zona leste de Manaus.

José Nilson Azevedo da Silva, conhecido como ‘Nego’, que era gerente de um bar pertencente a Romero, foi preso ontem (3) suspeito de envolvimento no assassinato da grávida.

PUBLICIDADE

De acordo com a delegada Débora Barreiros, adjunta da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), os dois tiveram um caso extraconjugal, pois o homem era casado, e a jovem acabou engravidando. Contudo, Romero não aceitou a gestação e chegou dar remédio para Débora abortar, mas o medicamento não funcionou e a vítima decidiu levar a gestação até o final mas os dois romperam ele arquitetou o crime.

Segundo a delegada, no último sábado (29), Romero marcou um encontro com Débora com a promessa de que lhe daria dinheiro para ajudar a comprar um berço para a filha. Conforme a delegada ele matou a vítima no carro levou o corpo para usina onde ele trabalhava como vigilante e no local ‘Nego’ já estava lhe esperando.

“Romero vai ao encontro de Débora tentando fazer as pazes porque há cerca de um mês ele tinha tentado contra a vida dela. Diz para ela que ele era casado, mas que estava disposto a ajudar com as despesas da criança (…) Ela cai na história, vai para o carro com ele e é levada para a usina”, diz a delegada.

PUBLICIDADE

“O corpo foi levado para o galpão, foi ateado fogo, foi colocado dentro de um tonel que já se encontrava ali. Ele conta que ela não foi carbonizada totalmente porque aquele óleo era de difícil combustão, foi misturado o combustível com diesel e gasolina. Depois o tonel foi fechado e jogado na área de mata da própria empresa onde Romero trabalhava”, completou.

Após o crime Romero continuou trabalhando normalmente e Nego saiu do local em um carro vermelho.

PUBLICIDADE

Veja matéria similar em: Jovem grávida é assassinada a tiros um dia antes do aniversário; ex-namorado foi preso. Clique aqui.
Acompanha nosso Podcast ao vivo em: Amazônia TV.  Clique aqui.

Redação AM POST*

PUBLICIDADE

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank