Integrante de grupo de extermínio é preso acusado de ter executado pelo menos 8 pessoas em Manaus

De acordo com registros da Delegacia de Homicídios, Elias de Souza é acusado de ser pistoleiro de aluguel.

A Polícia Civil do Amazonas, em ação policial deflagrada na noite da última quinta-feira (15), prendeu Elias de Souza Candido Rodrigues Junior, 32, conhecido como “Junior Piorini” por homicídio, em atividade típica de grupo de extermínio.

Segundo a polícia o homem foi interceptado por volta das 22h, em via pública, na Avenida Noel Nutels, bairro Cidade Nova, zona Norte da cidade, após as equipes receberem uma denúncia anônima informando que o foragido da Justiça estaria trafegando pela via em um veículo modelo Celta, de cor prata e placas não reveladas.

Segundo Raul Augusto Neto, ao avistarem um veículo com as mesmas características relatadas os policiais efetuaram a abordagem. O homem ainda tentou fugir, mas, após perseguição policial, acabou preso. O mandado de prisão preventiva em nome do infrator foi expedido no dia 25 de maio de 2015, pelo juiz Mauro Moraes Antony, da 3ª Vara do Tribunal do Júri.

Continua depois da Publicidade

“Após o recebimento da delação conseguimos obter detalhes do local onde “Junior Piorini” estaria. As equipes se deslocaram ao lugar e avistaram o veículo onde ele estava. O infrator ainda se apresentou com outro nome, mas como estava sem qualquer documento que comprovasse a informação ele foi levado ao prédio do 26º DIP, onde foi constatada a verdadeira identidade dele. Na delegacia confirmamos, ainda, a existência, em nome dele, de um mandado de prisão em aberto. Ele faz parte de uma quadrilha que executa traficantes em toda a zona Norte de Manaus”, disse Raul Augusto Neto.

Ao longo da coletiva de imprensa o delegado Ivo Martins informou que Elias Junior integrava um grupo de extermínio que participou de um quádruplo homicídio, ocorrido no dia 27 de fevereiro de 2015, em uma residência situada na Rua Um da Comunidade Novo Milênio, bairro Santa Etelvina, zona Norte da cidade. No dia do delito Edney Sousa dos Santos, Denilson Lobo Rodrigues, Ivan Teixeira Pessoa e Keitiane Nunes Galdino, que era conhecida como “Mel”, estavam no imóvel e foram mortos pelo grupo. As vítimas tinham, respectivamente, 19, 19, 34 e 26 anos.

Na época, uma adolescente de 17 anos, a única sobrevivente da ação criminosa, colaborou com a polícia no repasse de informações que resultaram nas prisões de quatro pessoas, dentre elas o chefe do bando, o ex-policial militar Francisco Marques dos Reis, 48, conhecido como “Max”. As prisões ocorreram no dia 11 de março de 2015. O titular da DEHS destacou que deste caso estavam foragidos Elias Junior e outro homem identificado como Erineldo Nogueira, que continua sendo procurado pela polícia.

Continua depois da Publicidade

Ivo Martins explicou qual era a função de “Junior Piorini” no bando. “O trabalho de Elias Junior era executar as vítimas. O grupo que ele integrava era contratado por determinada quantia em dinheiro para executar pessoas. O infrator estava sendo procurado pela equipe da DEHS por ter participado do quádruplo homicídio ocorrido no Santa Etelvina. “Junior Piorini” agora está preso em função do brilhante trabalho da equipe do 26º DIP. As buscas pelo comerciante Erineldo Nogueira continuam”, declarou.

Martins disse, ainda, que “Junior Piorini” está sendo investigado por outros sete homicídios. “Estamos estudando a participação de “Junior Piorini” em outros sete homicídios, ocorridos nos bairros Santa Etelvina e Monte das Oliveiras. Principalmente dois homicídios que aconteceram na Rua Mulateiro, bairro Santa Etelvina, no intervalo de 15 dias cada, em outubro deste ano. Com o mesmo modus operandi. Elias Junior e os comparsas não confessam as autorias dos crimes. No quádruplo homicídio, entretanto, temos outros elementos que nos dão a convicção da participação de todos no delito”, pontuou.

Além de ser indiciado por homicídio em atividade típica de grupo de extermínio, Elias Junior também irá responder por organização criminosa. Ele foi conduzido ao prédio da DEHS, onde irá prestar depoimento em torno dos crimes em que é citado. Ao término dos procedimentos cabíveis, “Junior Piorini” será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde irá permanecer à disposição da Justiça.

Continua depois da Publicidade