Médico é exonerado após dopar e realizar aborto em adolescente que estaria grávida dele no AM

Ao despertar, a jovem viu sangramento e ele mentiu dizendo que era apenas um cisto.

Redação AM POST

Um médico cirurgião, de nome não divulgado, foi exonerado após realizar aborto em adolescente que estaria grávida dele no município de Tonantins (distante a 836 quilômetros de Manaus).

Segundo a polícia, o médico é casado e realizou o procedimento ilegal após desconfiar da gravidez e que o filho seria seu. Na ocasião, ele levou a adolescente de 17 anos para sua residência e realizou os exames de ultrassonografia onde foi confirmada a gestação. Depois de dopa-la, manipulou o útero com as mãos e fez o procedimento abortivo, acarretando um forte sangramento na mesma.

Continua depois da Publicidade

Após o ato ilegal, a vítima acordou e perguntou do que se tratava e ele mentiu dizendo que era um cisto. Devido ao não encerramento da hemorragia, a menor foi a unidade hospitalar e constatou que se tratava de um aborto e logo em seguida testou positivo para a covid-19, devido a isso, a mesma segue internada.

A Prefeitura de Tonantins afirmou em nota que repudia o ato ilegal e espera as medidas necessárias sobre o caso.