Polícia

Padre acusado de estuprar venezuelana em Manaus diz que sexo era consensual e que ele foi vítima de extorsão

O religioso afirma que quando parou de dar dinheiro para a imigrante, ela começou a chantageá-lo.


Redação AM POST –

O padre de 60 anos acusado de estupro por uma mulher venezuelana, de 29 anos, disse em depoimento à polícia, nesta segunda-feira (8), que foi vítima de uma extorsão praticada pela imigrante e o pai dela.

Continua depois da Publicidade

O religioso afirma que tinha uma relação amorosa com a mulher e faziam sexo com o consentimento dela. Ele também disse que a ajudava financeiramente e quando parou de dar dinheiro ela começou a chantageá-lo.

Segundo Boletim de Ocorrência (B.O) registrado no 5º Distrito Integrado de Polícia (DIP) pela mulher identificada pelas iniciais Y.A.G, na última quarta-feira (3) foram três estupros cometidos pelo sacerdote contra a mesma mulher. Ela relata que os dois se conheceram em um abrigo da Igreja Católica, localizada na rua José Tadros, no bairro Santo Antônio, e que quando ejaculava o padre gritava: “Deus te ama, Deus te ama”.

De acordo com o testemunho da venezuelana, que também tem transtorno de espectro autista, o padre durante e após os abusos dizia que ela seria curada do câncer. A vítima afirmou ainda que os estupros aconteceram no apartamento onde o padre mora, localizado no bairro Flores, e em todas as vezes ela foi dopada.

Continua depois da Publicidade

De acordo com a delegada Déborah Barreiros, titular do 5º DIP, o caso continua sendo investigado agora com as duas versões dos fatos. Ela também disse que após a conclusão das provas técnicas os envolvidos no caso serão confrontados novamente.

Após denúncia a Arquidiocese de Manaus decidiu na última sexta-feira (5) suspender o sacerdote de suas atividades no cargo eclesiástico.

Continua depois da Publicidade

*Foto: Sandro Pereira/ A Crítica