Polícia

Pai se revolta com prisão de filho acusado de tentar estuprar indígenas e ateia fogo na casa de uma das vítimas em Manaus

Segundo a polícia, ele alegou que os crimes eram “coisa de homem”.


Redação AM POST

Carlos André Rodrigues Joaquim, 56, foi preso em flagrante, nessa quinta-feira (28/07), após invadir uma residência, atear fogo em um dos quartos e fugir do local em seguida.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o delegado Rodrigo Barreto, titular da 4ª Seccional Oeste e do 20° Distrito Integrado de Polícia (DIP), o home ficou revoltado após seu filho Wilson Palácio Rodrigues, de 19 anos, conhecido como “Mute”, ter sido preso pelos crimes de estupro qualificado tentado e importunação sexual, praticados contra cinco mulheres indígenas na comunidade Parque das Tribos, bairro Tarumã, zona oeste de Manaus.

Conforme o delegado em um dos casos o rapaz teria invadido a residência de uma das mulheres, se masturbado, e ejaculado em cima dela. “Ela gritou por socorro e ele se evadiu do local para não ser preso, mas continuou a intimidá-la para não o denunciar”, disse.

A prisão de Mute foi cumprida após ele se apresentar na unidade policial, na presença de um advogado, visto que ele já suspeitava que poderia ser detido.

Continua depois da Publicidade

A autoridade policial ressaltou que o pai do infrator ficou revoltado com a prisão do filho, alegando que os crimes eram “coisa de homem” e após ingerir bebida alcoólica, invadiu a residência de uma das vítimas e ateou fogo em um dos quartos, fugindo do local em seguida. Os vizinhos conseguiram apagar o fogo e alertaram os donos da casa.

“Os moradores buscaram o 20° DIP informando sobre o ocorrido. Prontamente, seguimos em diligências até a comunidade Parque das Tribos, onde conseguimos efetivar a prisão, em flagrante, do pai de Wilson, pelo incêndio. Ele negou a prática criminosa, no entanto, diversos moradores o apontaram como o responsável”, completou Rodrigo.

Continua depois da Publicidade

Wilson responderá por estupro qualificado tentado e importunação sexual, e Carlos André por incêndio doloso majorado. Ambos ficarão à disposição do Poder Judiciário.