PT aprova homenagem à Michelle Bolsonaro sem ler texto

Os petistas que assinaram a favor da homenagem afirmaram que vão pedir a retirada de suas assinaturas.

ESTADÃO CONTEÚDO

Vereadores das bancadas do PT, do PSDB e de outros seis partidos assinaram um projeto de decreto legislativo da Câmara Municipal de São Paulo que concede o título de “Cidadã Paulistana” à primeira-dama Michelle Bolsonaro. O texto foi apresentado ao Legislativo paulistano nesta terça-feira (15) e já tem apoio de 32 dos 55 parlamentares da cidade.

O projeto é de autoria do vereador Rinaldo Digilio (PSL), que justificou a concessão da homenagem com citações de discursos feitos por Michelle sobre a conscientização para doenças raras e por sua atuação voltada à população portadora de deficiências ou com autismo.

Continua depois da Publicidade

A homenagem é feita em uma sessão solene na Câmara com a presença do homenageado. Para a homenagem ser concedida, são necessárias 37 assinaturas. Depois, o texto é aprovado em votação simbólica em uma sessão plenária da Câmara.

A gafe ficou por conta da bancada do PT. O vereador Reis afirmou não saber que havia assinado a concessão da homenagem à primeira-dama.

– O nome, no sistema de votação, não tinha ‘Bolsonaro’. Por isso, assinei. Para a Michelle Bolsonaro, não dá. Já conversei com os vereadores da bancada e fomos surpreendidos. Vamos pedir para retirar as assinaturas – disse o petista.

Continua depois da Publicidade

No sistema dos processos da Câmara, o documento do projeto de decreto legislativo está nomeado “Michelle de Paula” (parte do nome completo da primeira-dama), embora a ementa do texto traga o nome completo, com o sobrenome do marido.

A reportagem tenta contato com vereadores do PSDB para perguntar sobre os motivos do apoio à homenagem à primeira-dama. Assim como o PT, o PSDB paulista fez oposição ao governo Bolsonaro, especialmente o governador João Doria, com quem o presidente já teve uma série de atritos.