Pesquisar por em AM POST

Polícia

Relatório de inteligência expõe lideranças do PCC e revela planos para atacar autoridades em Brasília

Célula de elite do Primeiro Comando da Capital (PCC) reestrutura-se com líderes históricos e ex-presidiários, segundo MPSP.

  • Por AM POST

  • 11/12/2023 às 08:20

  • Leitura em três minutos

blank

Foto: Reprodução

Um relatório de inteligência do Ministério Público de São Paulo (MPSP) revelou alterações na Sintonia Restrita, célula de elite do Primeiro Comando da Capital (PCC), responsável por monitorar e planejar atentados contra autoridades no Brasil. Entre os novos integrantes, constam ex-presidiários com extensa ficha criminal e líderes históricos da facção.

A Sintonia Restrita ganhou notoriedade após a desarticulação do plano do PCC de atacar o senador Sergio Moro e sua família, revelado pela Operação Sequaz, da Polícia Federal (PF), em março de 2023. Na ocasião, o promotor Lincoln Gakiya, do MPSP, também era alvo da facção. O coordenador da célula na época, Janeferson Aparecido Mariano Gomes, conhecido como Nefo ou NF, de 48 anos, foi detido na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau por planejar o atentado.

PUBLICIDADE

O relatório indica que a nova prisão de Nefo levou a Sintonia Restrita a suspender os planos em andamento e reiniciar suas atividades. Com treinamento de guerrilha e responsável por missões sigilosas e de alto risco, o grupo responde diretamente ao alto escalão da facção.

Recentemente, os investigadores descobriram que os criminosos pesquisaram os endereços dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), para uma possível “missão” no Distrito Federal.

Os convocados para essa missão foram identificados como Matheus, Felipe e Neymar, ainda não identificados pelos investigadores. O grupo também inclui Sandro dos Santos Olimpio, conhecido como Cisão, de 40 anos, preso em outubro por agentes das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota).

PUBLICIDADE

De acordo com o Metrópoles, Cisão possui extenso histórico criminal, incluindo participação em tentativa de resgate de integrante do PCC e escolta armada de um ônibus de visitantes de detentos. O relatório destaca a complexidade e a periculosidade das atividades da Sintonia Restrita, ressaltando a necessidade de ações efetivas para combater essas organizações criminosas.

Alta cúpula

PUBLICIDADE

No relatório, o MPSP estabelece relação entre Cisão e Pedro Luiz da Silva Soares, o Chacal, de 52 anos, que tem histórico de roubo a caixa eletrônico e esteve na primeira leva de grandes lideranças do PCC transferidas para presídios federais, no início de 2019.

Como mostrou o Metrópoles, Chacal saiu pela porta da frente da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, após cumprir nove anos de prisão por roubo e formação de quadrilha, e está em liberdade desde o fim de outubro. O advogado Eliseu Minichillo nega que ele tenha envolvimento com a facção.

PUBLICIDADE

Ao solicitar sua prisão no sistema federal, o MPSP alegou que Chacal já ocupou cargo de número um do PCC nas ruas e chegou a assumir um posto na chamada Sintonia Final, a mais alta prateleira da facção, em 2018, indicado pelo próprio Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, o líder máximo da organização criminosa.

Outro chefão para quem o grupo de elite do PCC prestaria contas das ações é Patric Velinton Salomão, o Forjado, 43, que já cumpriu pena por tráfico de drogas, porte ilegal de armas e homicídio – hoje, está em liberdade. Atualmente, ele é apontado pelo MPSP como o número um da facção nas ruas.

Redação AM POST

 

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank