Política

Amom diz que confia na polícia para encontrar homens que atacaram carro de equipe

O caso ocorreu no bairro Cidade de Deus, na Zona Norte de Manaus.


Redação AM POST

Durante a manhã desta quinta-feira (04/08), em coletiva de imprensa, o vereador e candidato a deputado federal, Amom Mandel (Cidadania), explicou sobre o atentado contra um dos carros de sua equipe, que ganhou repercussão nesta quinta. Amom afirmou que confia no trabalho da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP), e na Polícia Civil do Amazonas para investigar o ocorrido.

Continua depois da Publicidade

O parlamentar explicou que dois homens em uma motocicleta, de placa ainda não identificada, lançaram três disparos de arma de fogo contra o carro que continha um adesivo com o nome de Amom, mas apenas um dos disparos acertou o veículo. O caso ocorreu no bairro Cidade de Deus, na Zona Norte de Manaus. Amom afirmou que a equipe estava apurando denúncias envolvendo o transporte público de Manaus, como uso indevido dos ônibus e paradas de ônibus sem estrutura. Durante os disparos, os homens na motocicleta gritaram “Amom aqui não”.

Segundo Amom, o caso ocorreu na última terça-feira (02/08) e não deveria ser divulgado para evitar narrativas distorcidas de que estaria usando o fato para se beneficiar politicamente.

Amom relembrou ainda que já sofreu intimidações e ameaças, assim como teve arranhado a sigla de uma facção criminosa. Essa denúncia foi feita no plenário da Câmara Municipal de Manaus, mas nenhuma ação foi tomada pelo Legislativo municipal.

Continua depois da Publicidade

“Nós esperamos que o caso seja investigado pela Secretaria de Segurança Pública e que descubram quem fez isso. Embora não haja no Código Penal aquilo que chamamos de crime político, pode sim ter sido por motivações políticas, mas isso só a Secretaria de Segurança Pública; Polícia Civil poderão afirmar, após as investigações, e também tenho outro boletim registrado no caso de ameaças direcionadas a mim, como já disse na tribuna da Câmara Municipal de Manaus”, explicou.