Política

Brasileiros assinam carta contra embargo de Biden à Cuba

Carta aberta foi publicada no jornal The New York Times

O ex-presidente Lula (PT) assinou uma carta aberta pedindo para que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, interrompa imediatamente os embargos em relação à Cuba. Além de Lula, mais de 400 ex-chefes de estado, políticos, intelectuais, cientistas, religiosos, artistas, ativistas e movimentos sociais de todo o mundo assinaram o documento.

Dentre as personalidades brasileiras, que totalizam 48, estão a deputada Gleisi Hoffmann, o compositor Chico Buarque, o ator Wagner Moura e o frade dominicano Frei Betto.

Continua depois da Publicidade

Já entre os nomes internacionais, aparecem os atores Jane Fonda, Susan Sarandon, Emma Thompson, Danny Glover, Mark Ruffalo, além do linguista Noam Chomsky e o ex-presidente do Equador Rafael Correa, bem como os movimentos Black Lives Matter (EUA) e o MST.

O presidente Joe Biden disse, nesta quinta-feira (23), que as novas sanções dos EUA contra Cuba têm como alvo os responsáveis por reprimir manifestações naquele país e que este é apenas o primeiro passo na resposta norte-americana.

– Este é apenas o começo. Os EUA condenam as detenções em massa e os julgamentos simulados em Cuba e vão continuar punindo os indivíduos responsáveis pela opressão do povo cubano – afirmou o democrata em um comunicado.

Continua depois da Publicidade

Na semana passada, milhares de cubanos realizaram protestos contra a crise econômica que gerou falta de bens básicos e de energia. Eles também se manifestaram contra a maneira como o governo tem lidado com a pandemia e a limitações das liberdades civis. Centenas de ativistas foram detidos.

A carta foi publicada como um anúncio no jornal The New York Times nesta sexta-feira (23).

Continua depois da Publicidade

Veja na íntegra:

Caro Presidente Joe Biden,

Continua depois da Publicidade

É hora de dar um novo rumo adiante nas relações entre os Estados Unidos da América e Cuba. Nós, abaixo assinados, estamos fazendo este apelo público e urgente a vocês para que o senhor rejeite as políticas cruéis postas em prática pela Casa Branca de Trump, que causaram tanto sofrimento para o povo cubano.

Cuba – um país de onze milhões de habitantes – está passando por uma difícil crise devido à crescente escassez de alimentos e medicamentos. Protestos recentes chamaram a atenção do mundo para isso. A pandemia de Covid-19 se mostrou um desafio para todos os países e o foi ainda mais para uma pequena ilha sob o peso de um embargo econômico.

Consideramos inescrupuloso, especialmente durante uma pandemia, bloquear intencionalmente as remessas e o uso de instituições financeiras globais por parte de Cuba, visto que o acesso a dólares é necessário para a importação de alimentos e medicamentos.

Quando a pandemia atingiu a ilha, seu povo – e seu governo – perderam bilhões em receitas advindas do turismo internacional que normalmente iriam para o sistema público de saúde, distribuição de alimentos e ajuda econômica.

Durante a pandemia, a administração de Donald Trump endureceu o embargo, pôs de lado a abertura de Obama e pôs em prática 243 “medidas coercitivas” que intencionalmente estrangularam a vida na ilha e criaram mais sofrimento.

A proibição de remessas e o fim dos voos comerciais diretos entre os EUA e Cuba são impedimentos ao bem-estar da maioria das famílias cubanas.

“Apoiamos o povo cubano”, você escreveu em 12 de julho. Se é esse o caso, pedimos que você assine imediatamente uma ordem executiva e anule as 243 “medidas coercitivas” de Trump.

Não há razão para manter a política da Guerra Fria que exigia que os EUA tratassem Cuba como um inimigo existencial em vez de um vizinho. Em vez de manter o caminho traçado por Trump em seus esforços para desfazer a abertura do presidente Obama a Cuba, nós contamos com o senhor para seguir em frente. Retomar a abertura e iniciar o processo de encerramento do embargo. Acabar com a severa escassez de alimentos e medicamentos tem que ser a principal prioridade.

Em 23 de junho, a maioria dos estados membros das Nações Unidas votou para solicitar aos EUA para acabar com o embargo. Nos últimos 30 anos, esta tem sido a posição consistente da maioria dos Estados membros. Além disso, sete relatores especiais da ONU escreveram uma carta ao governo dos EUA em abril de 2020 sobre as sanções a Cuba.

“Na emergência de pandemia”, eles escreveram , “a falta de vontade do governo dos EUA em suspender as sanções pode levar a um maior risco de sofrimento em Cuba”.

Pedimos que acabe com as “medidas coercitivas” de Trump e retorne à abertura de Obama ou, melhor ainda, inicie o processo de fim do embargo e normalização total das relações entre os Estados Unidos e Cuba.

Fonte: Pleno.News