Política

Candidatura de Chico Preto ao Senado enfrenta ganância de ‘partidos grandes’

Conforme informações de bastidores a retirada de Chico Preto da disputa majoritária, foi pedida por “partidos grandes”.


Redação AM POST

O pré-candidato ao Senado, Chico Preto (Avante), não terá candidatura confirmada nesta quinta-feira (4) na convenção geral da aliança do Avante com o União Brasil, do governador Wilson Lima, como estava programado. Horas antes do evento Chico postou em seu perfil no Twitter que se juntava à família para refletir sobre seu posicionamento na eleição de 2022.

Continua depois da Publicidade

“Conversei pela manhã com meu amigo David Almeida sobre a caminhada que fazemos até aqui. Destaco a firmeza e lealdade de seu comportamento nesse processo eleitoral. A partir deste momento reflito junto à minha família sobre meu posicionamento na eleição deste ano”, postou.

Conforme informações de bastidores a retirada de Chico Preto da disputa majoritária, foi pedida por “partidos grandes”, leia-se articulação do Coronel Alfredo Menezes (Patriota), pré-candidato ao Senado, que se sente incomodado por não avançar nas pesquisas de intenção de votos e, com isso, tenta anular opositores na base do tapetão.

No entanto, a situação de Chico Preto só será definida na próxima segunda-feira (08). Ele diz que a sua candidatura foi posta para lutar contra esse sistema excludente e, que ele não tem outra opção que não o Senado. “Segunda-feira eu me posiciono, mas de antemão, digo que só existe uma candidatura, que é o Senado. Não tem acordo para outra candidatura”, explica.

Continua depois da Publicidade

“Tenho meus propósitos e, deles não abro mão. Tenho história de vida limpa. Em 22 anos de serviços prestados nos órgãos públicos, legislativo, não tem nada que a Polícia Federal possa investigar. Por isso não vou me curvar aos ditos partidos grandes, que não querem a minha candidatura por, certamente, temerem a lisura com que pretendo exercer o mandato”, finaliza.