Política

Comandada por David Reis, CMM é acusada de favorecer empresas em processo de licitação

Empresas que perderam a licitação acusam a CMM de conduzir o processo de forma suspeita.

Redação AM POST

A Câmara Municipal de Manaus (CMM), comandada pelo vereador David Reis (Avante), está sendo acusada de favorecer duas empresas em um processo de licitação para prestar serviços de publicidade e marketing à Casa Legislativa, no valor de quase R$ 800 mil. O Pregão Presencial 027/2021, vencido pelas empresas Tape Publicidade Ltda. e Grupo Mídia Publicidade e Eventos Ltda – ME, aconteceu na última segunda-feira (27) de forma presencial, e de acordo com a ata do pregão, a diretora de Comunicação da Casa, Dora Tupinambá, estava presente para “assessoramento na qualificação técnica do certame”.

Continua depois da Publicidade

Uma das empresas perdedoras alega que processo foi conduzido sob suspeitas de condução para favorecer de duas empresas vencedoras. De acordo com a Digital Comunicação Ltda., que participou do processo, a Tape teria o balanço incompleto, com a falta da declaração de índices. Em relação à empresa Grupo Mídia, a Digital alegou que a empresa também estava com o balanço incompleto e sem a devida inscrição municipal. No entanto, a pregoeira responsável, Helen Grace Costa Sena, não aceitou os recursos interpostos pela empresa.

Ao todo, a Câmara vai pagar R$ 540 mil anual à Tape Publicidade, e R$ 235,8 mil para a Grupo Mídia Publicidade, totalizando R$ 775,8 mil para as duas empresas. Não há previsão para a homologação dos contratos por parte da presidência da Casa.

Leia documento na íntegra:ATA_PREGAO_LICITACAO_CMM

Continua depois da Publicidade

Outros casos
Este não é o primeiro escândalo em processos tramitados na Câmara Municipal de Manaus. Ainda neste mês, a Casa Legislativa aprovou, ao “apagar das luzes”, o Projeto de Lei n°. 673/2021, de autoria da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Manaus, que aumentava a verba do Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), de R$ 18 mil para R$ 33 mil.

Outros casos que também podem ser listados, são a licitação para a obra do prédio anexo II da Câmara Municipal de Manaus (CMM), com valor atribuído em quase R$ 32 milhões. Além disso houve a tentativa de adquirir por meio de licitação o aluguel de 41 automóveis modelo picape que atenderiam a Mesa Diretora e as Comissões da Casa Legislativa. O gasto seria de R$ 99.734,40 por ano para o aluguel dos veículos, referente a um custo de R$ 8.311,20 por mês. Depois de pressão popular, David Reis decidiu suspender a licitação.

Continua depois da Publicidade

*Com informações da AGÊNCIA CENARIUM e AM1