Política

Delegado Pablo aprova projeto que autoriza cursos de vigilante a oferecerem treinamento de tiro

O objetivo é garantir treinamento qualificado para pessoas que tenham interesse em obter o porte de armas de fogo ou ingressar na profissão de vigilante.

Redação AM POST

As empresas dos setores de vigilância e segurança privada, que possuam autorização da Polícia Federal, poderão oferecer cursos para manuseio de armas de fogo a pessoas com mais de 21 anos. É o que garante o Projeto de Lei n. 1.857/19, aprovado hoje (06/10) pela Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados.

Continua depois da Publicidade

Segundo o relator do projeto, o deputado federal do Amazonas, Delegado Pablo (PSL), objetivo é garantir treinamento qualificado para pessoas que tenham interesse em obter o porte de armas de fogo ou ingressar na profissão de vigilante.

“Em condições de segurança e controle adequado, essas empresas poderão oferecer cursos e treinamento de tiro, desburocratizando o processo de certificação”, afirmou.

O texto aprovado altera o Estatuto do Desarmamento, que foi sancionado em dezembro de 2003.

Continua depois da Publicidade

De acordo com o projeto, as empresas poderão usar armamento próprio e fornecer munição recarregada para a prática nos estandes de tiro, informando à Polícia Federal (PF) o quantitativo mensal por aluno, para fins de controle e de autorização para reposição do material de recarga.

Os instrutores dos cursos deverão estar credenciados na PF.

Continua depois da Publicidade

Com ajustes no texto, Delegado Pablo incluiu critérios que tornam mais exigentes a realização dos cursos que são oferecidos no Brasil. Entre as mudanças está a exigência do ensino fundamental completo como escolaridade mínima dos vigilantes.

O treinamento inclui também o curso de atendimento adequado às pessoas com deficiência, cujo objetivo é humanizar o serviço prestado pelos vigilantes.

Continua depois da Publicidade

A proposta tramita em caráter conclusivo e ainda será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

* Com informações da assessoria de imprensa