Política

Idealizada por Omar Aziz, Cidade Universitária vira aeroporto clandestino de traficantes

Aeronave foi apreendida em pista clandestina dentro de complexo universitário abandonado.


Redação AM POST

Uma aeronave foi apreendida, na madrugada desta terça-feira (2), no terreno do Complexo da Cidade Universitária, no município de Iranduba, Região Metropolitana de Manaus.

Continua depois da Publicidade

O avião passou por várias alterações e teve, inclusive, sua capacidade de combustível aumentada. O transporte foi encontrado por meio de uma denúncia anônima que indicava que a mesma estava escondida na Cidade Universitária.

A aeronave estava vazia e em situação irregular, segundo investigações da Secretaria de Segurança Publicação (SSP-AM), a suspeita é de que o avião estava sendo preparado para transportar drogas.

O levantamento da polícia mostra que não foi feito nenhum tipo de contato com o controle aéreo local, logo, a mesma voava clandestinamente e provavelmente teve que fazer um pouso forçado já que a hélice estava quebrada.

Continua depois da Publicidade

Cidade Universitária
O governo do Estado do Amazonas já gastou bastante com a construção da Cidade Universitária, que é herança do ex-governador do Amazonas, atual senador Omar Aziz (PSD). O político anunciou a proposta em julho de 2012 e só gerou gastos milionários aos cofres públicos do Estado. Após 10 anos, vale lembrar que o local segue entre ruínas e destroços.

Segundo o então governador, na época, o espaço, com localização em Iranduba, deveria ter sua primeira etapa inaugurada no primeiro semestre de 2014, em um espaço de 13 milhões de metros quadrados. A promessa era que o local teria ainda casas residenciais, comércio, serviços públicos, eixos viários, áreas de lazer e de turismo, entre outros elementos próprios de uma cidade, porém, tudo não passou de propaganda enganosa.

Continua depois da Publicidade

Quando as obras começaram, foram orçadas em R$ 300 milhões, porem a última estimativa divulgada pelo estado sobre o valor calculado para a continuação do empreendimento, em 2017, previa a bagatela de mais de R$ 700 milhões.