Política

Maia quer acelerar projeto sobre fake news após ataques a Felipe Neto

Desde o início do mês passado, a Câmara tem promovido debates com especialistas para aprimorar o texto aprovado pelos senadores para combater notícias falsas na internet.


Agência Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que vai acelerar a votação do projeto que combate as chamadas fake news após ataques sofridos pelo influenciador digital Felipe Neto.

Continua depois da Publicidade

Neto tem um canal no YouTube com 39 milhões de inscritos e mais de dez bilhões de visualizações acumuladas. Crítico do governo Bolsonaro, o youtuber tem sido atacado nas redes sociais com acusações falsas e ameaças.  Na última quarta-feira (29), homens foram com um carro de som até a casa do de Felipe Neto fazer ataques verbais a ele.

Após os ataques, Maia convidou o influenciador para debater a proposta que tramita na Câmara. Entre outras medidas, o texto restringe o funcionamento de contas geridas por robôs; e determina a criação do Conselho de Transparência e Responsabilidade na Internet.

“A covardia é a virtude dos fracos. Esses ataques só reforçam o caráter daqueles que são incapazes de vencer um debate com argumentos e com respeito. Por tudo que você tem sofrido nesses dias, nós vamos acelerar o projeto de combate às fake news”, afirmou Rodrigo Maia por meio de suas redes sociais.

Continua depois da Publicidade

O youtuber já aceitou o convite, mas a data do encontro ainda não foi marcada.

A proposta
O Projeto de Lei 2630/20, já aprovado pelo Senado, institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet. O texto cria medidas de combate à disseminação de conteúdo falso nas redes sociais, como Facebook e Twitter, e nos serviços de mensagens privadas, como WhatsApp e Telegram, excluindo-se serviços de uso corporativo e e-mail.

Continua depois da Publicidade

As medidas valerão para as plataformas com mais de 2 milhões de usuários, inclusive estrangeiras, desde que ofertem serviços ao público brasileiro.