Ministros do Supremo votam pela prisão e perda do mandato de Silas Câmara por ‘rachadinha’

A pena proposta é de 5 anos e 3 meses de prisão no semiaberto, pagamento de multa de R$ 110,7 mil, devolução de R$ 248,2 mil (valor desviado) e perda do mandato.

Redação AM POST

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso e o ministro Edson Fachin votaram nesta sexta-feira (27) pela condenação do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) por peculato e prática de ‘rachadinha’, prática em que se recolhe parte dos salários dos servidores do gabinete parlamentar.

Continua depois da Publicidade

A pena proposta é de 5 anos e 3 meses de prisão no semiaberto, pagamento de multa de R$ 110,7 mil, devolução de R$ 248,2 mil (valor desviado) e perda do mandato. Segundo a Procuradoria Geral da República (PGR), os fatos ocorreram entre 2000 e 2001.

O julgamento virtual começou hoje, mas foi interrompido pelo ministro Kassio Nunes Marques, que quer levar o caso para discussão oral no plenário do Supremo, onde será proferida a sentença.

“Os elementos probatórios produzidos na instrução processual demonstraram que o réu, valendo-se do cargo de Deputado Federal, desviou recursos públicos destinados ao pagamento de assessores parlamentares, em proveito próprio”, diz Barroso em seu voto.

Continua depois da Publicidade

Revisor da ação penal, Fachin considerou “insubsistente” a justificativa apresentada por Silas Câmara, sem qualquer prova, de que o dinheiro recebido em sua conta vinha do aluguel de salas comerciais. “Está sobejamente comprovado que o réu praticou o crime de peculato”, disse.

Ainda não há data para retomada do julgamento no plenário. Votarão no processo todos os 11 ministros da Corte. O caso poderá servir como importante precedente para o julgamento de Flávio Bolsonaro — o senador, no entanto, será julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio.

Continua depois da Publicidade

*Com informações do Antagonista