Política

Vídeo: David Reis é confrontado após ‘chover’ dentro da CMM mesmo com reforma de telhado que custou R$ 1,6 milhão

Vereadores questionaram a obra milionária que visava consertar o telhado da Câmara Municipal de Manaus.


Redação AM POST

O presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), David Reis (Avante), foi confrontado nesta quarta-feira (23) pelos vereadores Rodrigo Guedes (PSC) e Amom Mandel (sem partido) após a Casa Legislativa apresentar goteira na área onde fica localizada a Mesa Diretora mesmo tendo sido gasto R$1,6 milhão dos cofres públicos com reforma no telhado da CMM, em novembro de 2021.

Continua depois da Publicidade

A goteira chamou atenção dos servidores e da imprensa. A água chegou a atingir uma televisão e uma câmera robótica, que ficam no plenário. Por conta disso, um dos funcionários precisou cobrir os equipamentos com sacos plásticos, que parecem ser sacos de lixo preto.

Amom Mandel disse que cobrou David Reis sobre informações da obra. “Eu solicitei, prontamente, da nossa equipe, que verifique tanto o edital que falava em manutenção e não em criação de telhado, né, que são coisas distintas, quanto as informações dos órgãos de controle. Nós estamos no aguardo de resposta dos respectivos órgãos. Segundo o presidente, a obra continua em andamento. Eu também tinha entendido e ele também tinha dado a entender, no ano passado, que a obra seria concluída, mas aparentemente não foi, segundo o próprio presidente aqui no plenário”, disse.

Rodrigo Guedes também questionou que a obra milionária tenha sido feita tão recentemente e já aparecerem problemas. O parlamentar afirma que David Reis gasta por gastar os recursos da Câmara para não ter que devolvê-los à prefeitura.

Continua depois da Publicidade

“É muito estranho, né, um valor tão alto! R$ 1,6 milhão para reforma do telhado e aparecem esses problemas. Primeiro que era duvidoso, por exemplo, na minha sala, infelizmente, não consegui me atentar na hora, trocaram um ar-condicionado que estava funcionando perfeitamente, ar-condicionado bom. Inclusive, funcionava de uma forma que não tinha nenhuma reclamação e aí trocaram. Agora essa reforma de telhado, que a gente já vê, em menos de um mês, esses problemas aparecendo”, disse Guedes.

“Tem orçamento, que é da Câmara, o dinheiro é público, mas o orçamento é da Câmara, fica gastando por gastar, inclusive, casos suspeitos e duvidosos: teve o caso do açúcar, que provavelmente foi superfaturado; o puxadinho, que a gente conseguiu derrubar; aluguel de carro guincho, caminhão. Se as atividades da Câmara são todas aqui, para que esse tipo de gasto? Contratação de R$ 3 milhões para o sistema de transmissão das sessões; contratações caríssimas para vigilância. Enfim, toda hora ficam inventando gasto, única e exclusivamente para não devolver dinheiro para a prefeitura, para não permitir que o dinheiro saia daqui e seja utilizado em algo que de fato seja útil para a população”, continuou.

Continua depois da Publicidade

O serviço de revitalização foi realizado pela empresa Vale do Rio Verde Construções EIRELI. A contratação foi divulgada no dia 18 de novembro de 2021 e foi realizada com dispensa de licitação, com a justificativa de que a reforma era de emergência.

*Com informações da Agência AM1