Pesquisar por em AM POST

Saúde

Epidemia de dengue leva DF a criar Centro de Operações e hospital de campanha

Na semana passada, o Distrito Federal decretou situação de emergência devido à alta da dengue.

  • Estadão Conteúdo

  • 02/02/2024 às 18:19

  • Leitura em quatro minutos

blank

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom

O aumento significativo de casos de dengue no Brasil na última semana mobilizou as autoridades para tentar conter a disseminação da doença. Na quinta-feira, 1º, o Ministério da Saúde anunciou a criação de um Centro de Operações de Emergência (COE) para lidar com a crise. O Distrito Federal, uma das unidades da federação com maior alta no número de casos, planeja criar um hospital de campanha para atender pacientes com a doença.

Dados do painel de arboviroses do Ministério da Saúde indicam o aumento dos casos de dengue nas primeiras semanas do ano. O pico de casos, até o momento, foi registrado entre os dias 14 e 20 de janeiro, com 79.872 ocorrências. O número é quatro vezes maior ao registrado na mesma semana de 2023. Os últimos dados disponíveis, referentes ao período de 21 a 27 de janeiro, mostram uma queda, mas o patamar elevado se mantém: foram 47.785 casos, o que é mais do que o dobro registrado em 2023.

PUBLICIDADE

A implementação do COE irá ampliar o monitoramento da doença e desenvolver estratégias específicas para controlar a disseminação dos mosquitos transmissores e oferecer assistência aos pacientes. A definição das medidas será realizada em colaboração com estados e municípios. O mecanismo foi anunciado pela ministra Nísia Trindade durante reunião da Comissão Tripartite do SUS, que reúne representantes federais, estaduais e municipais.

“É hora de prevenir e cuidar. Dengue é uma doença para qual o Sistema Único de Saúde pode operar de forma eficiente, evitando as mortes. Isso tem que ser uma tônica nossa nesse momento”, disse a ministra.

O Distrito Federal enfrenta um dos cenários mais desafiadores. No período de 14 a 20 de janeiro, o DF registrou 9.654 casos, 13 vezes mais do que os 730 notificados em 2023. Segundo os dados mais recentes, de 21 a 27 de janeiro, apesar da queda, a quantidade de casos de dengue ainda é expressiva. Foram 8.045 casos neste ano, quase 12 vezes mais do que os 674 notificados no ano passado.

PUBLICIDADE

Na semana passada, o DF decretou situação de emergência devido à alta da dengue. Com o decreto, o governador, Ibaneis Rocha, terá mais flexibilidade para comprar insumos, materiais e contratar serviços para conter a crise. O decreto vai perdurar enquanto a situação sanitária causada por arboviroses no Distrito Federal não for estabilizada.

Para fortalecer o atendimento aos pacientes, o governo do DF decidiu criar um hospital de campanha, que contará com locais para hidratação e aproximadamente 60 leitos de internação. A unidade de saúde funcionará 24 horas por dia, mas ainda não há definição sobre o local de instalação. A estrutura será construída em colaboração com a Aeronáutica, que fornecerá insumos e mão de obra.

PUBLICIDADE

Vacinação contra a dengue

O Brasil comprou 5,2 milhões de doses de vacina contra dengue para imunizar a população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). O primeiro carregamento de vacinas, com 757 mil doses, chegou ao Brasil no dia 20 de janeiro. O próximo lote chega ao país neste mês, com 568 mil doses. A previsão é que até dezembro todas as vacinas tenham sido entregues. O governo também já contratou 9 milhões de doses para 2025.

A aplicação da vacina contra dengue começa neste mês em 521 municípios onde a dengue é endêmica, ou seja, tem grande incidência naquele território. A princípio, serão vacinadas somente crianças e adolescentes de 10 a 14 anos (faixa etária que concentra o maior número de hospitalização por dengue).

PUBLICIDADE

Durante reunião da comissão tripartite do SUS na última quinta-feira, a ministra Nísia Trindade ponderou que a vacina é muito importante, mas não é a principal resposta à crise nesse momento. Nísia afirmou que é preciso que a sociedade ajude no esforço de prevenção da dengue eliminando focos do mosquito.

“A vacina é uma esperança, um instrumento fundamental, mas não é uma resposta para situação de crise”, disse ela, explicando que a imunização é feita em duas doses e com espaço de meses, de modo que a prevenção é a chave nesse momento.

Estadão Conteúdo

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank