Pesquisar por em AM POST

Saúde

Plataforma online identifica risco de doença renal crônica entre pessoas com diabetes tipo 2; saiba mais

Por meio do preenchimento de um questionário rápido de cinco perguntas, sem a necessidade de cadastro, o algoritmo calcula o risco aumentado para o desenvolvimento de doença renal crônica.

  • Por AM POST

  • 22/08/2023 às 08:20

  • Atualizado em 22/08/2023 às 13:53

  • Leitura em três minutos

A AstraZeneca, biofarmacêutica global lança a plataforma online, gratuita e em português Cuidando dos Rins para pacientes com DM2 com risco potencial de desenvolver doença renal crônica (DRC). Dois em cada cinco pacientes no mundo com diabetes mellitus tipo 2 (DM2) irão desenvolver DRC1, enfermidade que pode levar à perda progressiva, e até mesmo irreversível, do funcionamento dos rins

Por meio do preenchimento de um questionário rápido de cinco perguntas, sem a necessidade de cadastro, o algoritmo calcula o risco aumentado para o desenvolvimento de doença renal crônica. Ao final, o paciente recebe recomendações, como, por exemplo, se deve se consultar com um médico especialista, é direcionado para o SAC da AstraZeneca e para a ADJ e FENAPAR, associações de pacientes com diabetes e/ou doenças renais. É importante ressaltar que essa ferramenta não substitui o diagnóstico e que, em caso de dúvidas, um médico deverá ser consultado.

PUBLICIDADE

A doença renal crônica é uma das complicações do diabetes, que ao acumular açúcar no sangue de forma excessiva, causado pela descompensação glicêmica, pode comprometer o funcionamento dos rins, fazendo com que o órgão perca a capacidade de filtrar o sangue2. “O rastreio da complicação deve ser realizado periodicamente, já que a doença renal crônica, na maioria das vezes, é assintomática nos estágios iniciais. A ferramenta Cuidando dos Rins veio para auxiliar a jornada de pessoas com diabetes, para que, a partir do risco identificado pela plataforma, a equipe médica possa realizar o controle renal do paciente, por meio de exames de urina e sangue para controle ou confirmação diagnóstica3”, comenta Fernanda Ronco, líder médica de área terapêutica da AstraZeneca.

A prevalência do diabetes no Brasil é de mais de 15,7 milhões de pessoas3, segundo dados da Federação Internacional do Diabetes (IDF), sendo que cerca de 90% dos casos são do tipo 23, que está associada a fatores externos e de estilo de vida, como histórico familiar, sobrepeso, sedentarismo, e maus hábitos alimentares3. Sem adesão ao tratamento e controle da doença, a longo prazo, a pessoa pode apresentar complicações, como a doença renal crônica.

Hoje, cerca de 12 milhões de pessoas convivem com a doença renal crônica no Brasil, entretanto, apenas 20% dos pacientes em estágio 3 são diagnosticados1, devido à falta de rastreio e ausência de sintomas. Apesar dos dados, a conscientização de pacientes com diabetes sobre as possíveis complicações e a adesão ao tratamento podem proporcionar ao paciente o controle da doença e uma melhor qualidade de vida4. Além disso, é fundamental conversar com um médico para o rastreio, por meio do controle renal em caso de maiores chances de desenvolver a condição5.

PUBLICIDADE

Para realizar a triagem, acesse http://www.paciente.cuidandodosrins.com.br/. A plataforma está disponível por prazo determinado, sem necessidade de cadastro, de forma gratuita e simples.

Veja mais: Idosa morre após quebrar o pescoço ao cair de escada em Manaus. Clique aqui.

PUBLICIDADE

Acompanhe nosso Podcast ao vivo em: Amazônia TV. Clique aqui.

 

PUBLICIDADE

Estadão

Faça parte da comunidade

  • Praticidade na informação

  • Notícias todos os dias

  • Compartilhe com facilidade

blank WhatsApp Telegram

Apoie o AM POST

O AM POST está há mais de 8 anos produzindo jornalismo sério e de qualidade. É uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Apoie

blank

Últimas notícias

blank
blank
blank
blank
blank
blank