TBT AM POST

TBT: Eduardo Braga já foi acusado por delatores de ser “jogo duro” na cobrança de propina atrasada

Delação de ex-executivos da Andrade Gutierrez, em 2016, diz que Braga ameaçava quando propina atrasava.

Redação AM POST

Para quem não se recorda o AM POST vai lembrar neste TBT que em 2016, na Operação Lava Jato, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) foi acusado em delação premiada dos empresários Clóvis Peixoto Primo e Rogério Nora de Sá, ex-executivos da construtora Andrade Gutierrez, responsável pela obra da Arena da Amazônia, em Manaus, de “cobrar propina” e revelaram que havia uma combinação, que ocorreu durante os oito anos do governo de Braga, do pagamento de suborno de 10% sobre o valor de cada obra da empreiteira.

Continua depois da Publicidade

Na época, Clóvis Primo, afirmou que Braga fazia ameaças se houvesse atraso no pagamento da propina. “Ele era jogo duro”, afirmou. Braga teria recebido entre R$ 20 e R$ 30 milhões, segundo estimativa de Sá. O ex-governador e atual senador Omar Aziz também foi citado.

Eduardo Braga afirmou em nota, na época, que a denúncia era “absurda”, e que estava indignado e se sentindo ofendido com as acusações.

A TV Globo teve acesso, com exclusividade naquele ano, a trechos de depoimentos dos ex-executivos da construtora, nos quais detalhavam que, para ganhar a obra da Arena da Amazônia, pagaram propina ao governo e que “pagar propina para o Governo do Amazonas era rotina”. Eduardo Braga foi governador do Estado durante os anos de 2003 a 2010.

Continua depois da Publicidade

Na delação premiada, Clóvis Primo e Rogério Nora de Sá revelaram também aos procuradores da Lava Jato que a Andrade Gutierrez obteve informações privilegiadas do governo estadual à época. Segundo a reportagem, os dois ex-executivos disseram também que a construtora inclusive ajudou na elaboração do projeto e do edital da licitação.

“O ex-executivo Clóvis Primo disse aos procuradores que a Andrade Gutierrez tinha preferência pela obra, porque a empresa estava instalada no Amazonas havia muitos anos. Segundo a delação, já havia uma combinação com o então governador Eduardo Braga do MDB, que valeu pelos oito anos do governo dele: propina de 10% sobre o valor de cada obra da empreiteira”, dizia a reportagem da Globo.

Continua depois da Publicidade

Veja reportagem: